Publicidade

Cuiabá, Domingo 15/09/2019

Política de MT - A | + A

Polêmica 23.08.2019 | 08h26

Agro critica projeto na Câmara Federal que limita exploração do Pantanal

Facebook Print google plus

Sesc Pantanal

Sesc Pantanal

Representantes do agronegócio de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul têm feito críticas ao projeto de lei (PL) 9950/2018, do deputado federal Alessandro Molon (PSB-RJ), que limita a exploração e coloca novas regras para o uso de terras no Pantanal. Segundo a Federação da Agricultura e Pecuária do Mato Grosso (Famato), o projeto trará prejuízo de mais de R$ 2680 milhões para a economia no estado.

 

Entre as proibições propostas pelo PL estão a construção de barragens e intervenções em fluxos de águas, plantio de transgênicos, plantio de cana de açúcar e instalação de usinas, implantação de abatedouros, transporte de produtos perigosos, além da retirada de vegetação nativa sem autorização - que só será dada em caso de interesse social e baixo impacto ambiental.

 

Leia também - Ministro afirma que parte dos incêndios é intencional

 

“Caso esse projeto de lei venha a ser aprovado, teremos impacto em 33,3% de empregos diretos no estado de Mato Grosso, 34,8% indiretos e o impacto de 35,2% de empregos induzidos no estado de Mato Grosso", defendeu a técnica da Famato, Lucélia Avi.

 

Um dos pontos criticados pelo setor é a ampliação das unidades de conservação e área de reserva legal, dos atuais 20% para 50%. Organizadora do debate na Comissão de Meio Ambiente, a deputada federal Bia Cavassa (PSDB-MS) alega que 83% do Pantanal continua preservado, mesmo após quase 300 anos de exploração, o que torna o PL desnecessário.

 

O projeto ainda está na Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural para avaliação. Na justificativa da proposta, Molon afirma que "desde a década de 1970, têm havido mudanças nos padrões de uso do solo" no Pantanal, que causa a "perda de biodiversidade das áreas já desmatadas".

 

Molon também critica a construção de barragens no rio Cuiabá, "que alterou o regime hidrológico de toda a bacia", além da exploração desregulada da região, seja pela pecuária, agricultura, pesca ou mesmo exploração de recursos minerais.

 

Apesar das restrições, que são o principal ponto de discórdia entre ambientalistas e ruralistas, o projeto prevê o "pagamento por serviços ambientais e outros incentivos econômicos, para a conservação e uso sustentável da vegetação nativa". (Com informações da Assessoria)

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Aroldo Nunes - 23/08/2019

Como que um deputado do RJ vem dar palpite no pantanal. Esse é um idiota. Se o pantanal não tiver gado facilita as queimafas, os animais gostam aonde está o gado.

1 comentários

1 de 1

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

GD

GD

Enquete

Turismo internacional cresce no mundo, mas recua no Brasil segundo a Organização Mundial do Turismo. Qual a principal causa?

Parcial

Edição digital

Domingo, 15/09/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 19,25 1,32%

Algodão R$ 90,55 -1,11%

Boi a Vista R$ 131,00 0,50%

Soja Disponível R$ 75,50 -0,66%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.