Publicidade

Cuiabá, Segunda-feira 19/08/2019

Política de MT - A | + A

Renúncia fiscal 14.08.2019 | 11h33

CPI avalia convocar Júnior Mendonça para prestar depoimento

Facebook Print google plus

Helder Faria/AL-MT

Helder Faria/AL-MT

Assembleia Legislativa retoma nesta quinta-feira (15) os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a suspeita de sonegação de impostos e renúncias fiscais indevidas nos diversos ramos dos setores produtivos em Mato Grosso.

 

A sessão está marcada para as 14h na sede da Assembleia Legislativa na sala 202. O presidente da CPI, deputado estadual Wilson Santos (PSDB), afirma que a primeira atividade após a interrupção feita no dia 26 de abril será analisar a possibilidade de convocar empresários do setor de combustível e mineração para prestar depoimento.

 

Leia também - MPE abre inquérito para investigar Pedro Taques por retenção de recursos do Fundeb

 

“Estamos retomando as atividades após a Mesa Diretora providenciar a contratação de técnicos que possam nos auxiliar na análise de informações e dados colhidos nas investigações. A primeira reunião vai ter caráter administrativo. Analisaremos nomes que poderão contribuir com  as investigações”, disse.

 

Uma das aprovações que deverá ocorrer na primeira sessão será a convocação do empresário Gércio Marcelino Mendonça Júnior, conhecido como Júnior Mendonça.

 

Trata-se de um empresário do setor de combustíveis que expandiu atividades em Cuiabá nos últimos anos e ganhou notoriedade em razão de um acordo de colaboração premiada nos autos da Operação Ararath, deflagrada pela Polícia Federal em 2014 e que cumpriu 14 etapas em uma ampla investigação.

 

Antes de decidir pela interrupção provisória dos trabalhos no mês, a CPI colheu depoimentos do presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Mato Grosso (Sindipetróleo), Aldo Locatelli, representantes do Ministério Público Estadual (MPE), Secretaria de Fazenda (Sefaz), Polícia Civil, Procuradoria Geral do Estado (PGE), entre outros.

 

A CPI suspeita que o Estado deixa de arrecadar R$ 2 bilhões por causa da sonegação de impostos e incentivos fiscais concedidos de forma fraudulenta. Além de Wilson Santos, compõe a CPI os deputados Carlos Avalone (PSDB), Nininho (PSD), Max Russi (PSB) e Janaína Riva (MDB).  (Com informações da assessoria)

 

 

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

GD

GD

Enquete

Já começaram as discussões para as eleições municipais de 2020. Você pretende acompanhar?

Parcial

Edição digital

Segunda-feira, 19/08/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 19,45 -0,26%

Algodão R$ 91,94 0,54%

Boi a Vista R$ 135,00 -0,56%

Soja Disponível R$ 70,24 -0,44%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.