Cuiabá, Sábado 22/09/2018

Política de MT - A | + A

22.11.2017 | 16h55

CPI do Paletó não dará em nada e vereadores passarão vergonha, diz Renivaldo

Facebook Print google plus

Mesmo com a adesão de 11 vereadores da governista terem aderido à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Paletó na Câmara Municipal de Cuiabá, o vereador Renivaldo Nascimento (PSDB), disse que não apoia a investigação contra o prefeito Emanuel Pinheiro (PMDB). De acordo com o tucano, a investigação deve ser finalizada sem nenhum resultado prático.

João Vieira

Vereador tucano sempre foi contrário à CPI do Paletó e agora adota discurso de que ela não dará em nada e fará a Câmara passar vergonha

“Eu não assinei e nem vou assinar, vão passar vergonha. Não vai dar em nada porque a Câmara não tem condições para investigar, não tem condições técnicas. Não assino de jeito nenhum. No final vai ser só história”, disse o tucano.

O vereador Ricardo Saad (PSDB) foi o 20º parlamentar a assinar o requerimento. Segundo ele, a mudança no objeto da investigação o instigou a querer participar. “Já que eles querem apurar eu assinei para pode participar, se eu não assinar eu fico de fora. Vamos resolver isso logo, se não Cuiabá para, a câmara para e não dá para trabalhar com esse imbróglio”, ressaltou Saad.

Saad, mesmo assinando o requeriomento concordar com a posição do colega, de que a investigação não deve ter sucesso. “Todo dia briga dentro da Casa, ninguém mais consegue trabalhar, 9 vereadores estão peitando todo mundo, fazendo estardalhaço. Concordo que vai chegar lá na frente não vai dar me nada”.

A CPI do Paletó visa investigar a conduta do hoje prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, que quando era deputado foi gravado recebendo maços de dinheiro e guardando no paletó. Os valores eram repassados por Silvio Cézar Corrêa Araújo, ex-chefe de gabinete do ex-governador Silval Barbosa (PMDB).

Ambos foram presos por corrupção, fizeram acordos de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR) nos quais afirmam que o dinheiro recebido por Emanuel e vários outros deputados e ex-deputados era propina paga em troca de apoio político na Assembleia Legislativa de Mato Grosso. 

Voltar Imprimir

Comentários

Eurides - 24/11/2017

O cara recebe dinheiro ilicitamente não dá satisfação,e esse Vereador ainda diiz que não tem nada de anormal, dá pra desconffiar.

1 comentários

1 de 1

Enquete

O horário político no rádio e TV está sendo útil na sua escolha pelos candidatos?

Parcial

Edição digital

Sábado, 22/09/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 26.450 -1.310

Algodão R$ 119.490 0.130

Boi a Vista R$ 131.650 0.350

Soja Disponível R$ 71.000 1.430

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.