Publicidade

Cuiabá, Sábado 17/08/2019

Política de MT - A | + A

MOBILIZAÇÃO NACIONAL 30.06.2019 | 16h12

Cuiabanos se manifestam em defesa de Bolsonaro e Moro

Facebook Print google plus
Pablo Rodrigo e Yuri Ramires

redacao@gazetadigital.com.br

Chico Ferreira

Chico Ferreira

(Atualizada às 17h16) Militantes e políticos estão reunidos no monumento Ulisses Guimarães, na avenida do CPA, em Cuiabá, para mostrar o apoio ao governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) e também ao ministro Sérgio Moro. O ato deste domingo (30) ocorre em âmbito nacional

 

Conforme o secretário do Partido Social Liberal (PSL) em Mato Grosso, Carlos Hayashida, o ato não é partidário e sim, do povo.
"O movimento é do povo, que veio às ruas em defesa do governo Bolsonaro e do ministro Moro. Nós, integrantes do partido, estamos participando como cidadãos brasileiros e apoiando a luta", disse.

 

Leia também - Pesquisa mostra que 32% consideram governo Bolsonaro ótimo ou bom

 

Segundo ele, esse é um dos pontos que mais entusiasmas o governo de Jair Bolsonaro: a mobilização popular. "É uma organização do povo, que também é quem tem o poder".

Para o secretário, a oposição está encarregada de ferir e a imagem do ministro, especialmente após o site The Intercept

divulgar uma série de conversas que, supostamente, seria entre o então juiz Sérgio Moro com os procuradores da Força Tárefa da Lava Jato.

 

"Nesse ato a gente apoia o presidente para que ele mantenha Moro em seu governo".

 

Não haverá afastamento

 

O deputado estadual Silvio Fávero (PSL), que também participa do ato, afirma que o povo mostra cada vez mais que está ao lado do presidente Bolsonaro e do ministro Moro, especialmente pelas mudanças que o governo pretende fazer.

 

"Há 20 anos o país estava na mãos dos esquerdistas, em 6 meses, olha o tanto de reforma que o nosso presidente teve coragem de fazer, quantas mudanças. Erros são normais, erros e acertos fazem parte, mas em 1 ano, haverá mudanças".

Chico Ferreira

Ato pró-bolsonaro

 


Segundo ele, "a democraria vai voltar a reinar, as famílias vão voltar a ter valores e o Brasil será para os filhos e netos".

Sobre um possível afastamento do ministro Moro, o deputado informou que isso não acontecerá, segundo ele, em "hipotese nenhuma".

 

"Estão tentando fazer com que ele se afaste do cargo, mas isso não vai acontecer, Jair Bolsonaro falou para nós".

 

MBL presente

 

Heitor Santana, do Movimento Brasil Livre (MBL) Mato Grosso disse à reportagem que diferente do último ato, o MBL decidiu participar desse ao perceber que "há um esquema organizado para manchar a operação Lava Jato".

"Houve um rackeamento de conta dos procuradores da força-tarefa e do próprio ministro Moro, em uma busca midiática de desprestigiar os operadores da operação que é muito importante para o Brasil, então é decidimos participar devido a importância de defender esse legado".

 

Sobre a baixa adesão ao ato, Heitor ressaltou que não de deve a queda de popularidade do governo, conforme indicou pesquisa divulgada na última semana.

"A última manifestação teve um modelo diferente, foi uma carreata, que dá uma impressão maior. Provavelmente, tem mais pessoas aqui do que na última. Sobre a queda na popularidade, eu acho normal. Quando é eleito, há um discurso, que na prática tem que ser feito. Então a tendência é que a longo prazo ela volte a crescer".

 

Para ele, os fatores estão no acordo firmado entre a União Européia e o Mercosul, as reformas da Previdência e Tributária e outras medidas que serão adotadas ao longo do mandato.

 

O deputado estadual Ulysses de Morais (DC), que também é integrante do MBL-MT, informou que os movimentos pró-govenro estão cada vez mais fortes e que as mensagens vazadas pelo The Intercept estão ajudando a fortalecer a operação Lava Jato.

 

"Nos últimos dias, depois dos vazamento ilegais e injustos, eu ceio que a operação ganhou mais forças . Na verdade, esclareceu que não há nada de comprometedor, muito pelo contrário, mostrou que o ministro Moro é um homem integro, sério e que faz o seu trabalho com maestria".

 

Para o deputado, o a divulgação das conversas é um ato de covardia. "Mensagens que não tiveram sua veracidade confirmada, e que foram replicadas como verdade, de maneira desonestas para, a todo custo, acabar com a operação que veio para varrer o país"".

Sobre a queda na popularidade do governo, coforme apontado pela pesquisa, o deputado riu e questinou a reportagem do sobre a autoria da pesquisa.

 

Os índices foram divulgados pelo Ibope. "Temos que avaliar isso, infelizmente tem algumas pesqusias que não transmitem a verdade", finalizou.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Valcir Jacob Lazaretti - 30/06/2019

Será que nossos representantes em Brasília não vê a vontade do povo matogrossense??

1 comentários

1 de 1

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

GD

GD

Enquete

O noticiário diário costuma influenciar o seu humor?

Parcial

Edição digital

Sábado, 17/08/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 25,65 0,98%

Algodão R$ 89,91 -0,27%

Boi a Vista R$ 135,33 0,24%

Soja Disponível R$ 69,60 0,87%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.