Cuiabá, Sábado 15/12/2018

Política de MT - A | + A

Em defesa do agro 08.11.2018 | 17h58

Debate sobre taxação do agro não pode ser ‘de tapa na cara’, diz Geller

Facebook Print google plus

O deputado federal eleito e produtor rural Neri Geller (PP) afirmou que é preciso um debate técnico sobre uma possível taxação do setor de agronegócio em Mato Grosso e não apenas acusações e “tapas na cara”. Para ele, o Estado não pode fazer “demagogia”.

 

A taxação tem sido avaliada pelo governador eleito Mauro Mendes (DEM) como uma solução para melhorar a arrecadação do Estado e equilibrar as contas públicas. A medida, inclusive, foi defendida pelo senador eleito Jayme Campos (DEM).

 

De acordo com Geller, antes mesmo de pensar em taxação o Estado precisaria identificar o que é sonegação, uma vez que os produtores rurais não podem ser “penalizados com mais impostos” e ter sua atuação inviabilizada.

 

Isto porque, segundo ele, taxar o agro vai impedir a competição com estados como Paraná, que estão mais perto dos portos e têm o custo menor para levar a produção para o mercado internacional.

 

“Esse debate não pode ser de tapa na cara, porque isso começa a dividir a sociedade. O que precisa ficar claro é que o combate à sonegação precisa ser efetivo, o combate às questões dos incentivos fiscais, sou totalmente a favor”, disse nesta quinta-feira (8), em entrevista ao Jornal do Meio Dia, da TV Vila Real.

 

Geller disse ainda que é necessário um esclarecimento junto à sociedade para que o setor do agronegócio não seja visto como culpado pela crise financeira do Estado. “Não podemos fazer demagogia, porque aí fica ruim. Você começa a separar as pessoas que vivem na sociedade mais urbana, que não conhece a produção, dos produtores, como se em alguns casos os produtores fossem os culpados pelo caos que está instalado no ponto de vista da gestão do Estado”, afirmou.

 

Ainda segundo Geller, é preciso que a bancada federal atue para a regulamentação da Lei Kandir, de modo a favorecer o produtor rural e não as grandes trades, uma vez que a atuação dos produtores rurais é uma das responsáveis pelo crescimento do Estado.

 

Nos últimos 12 anos, segundo Geller, a produção de milho cresceu de 4 milhões de toneladas para 28 milhões de toneladas. Já o consumo no mercado interno era 800 mil toneladas e hoje chega a quase 6 milhões de toneladas no mercado interno.
“Basta olhar os grandes polos de desenvolvimento que se instalaram em Mato Grosso. O quanto nós crescemos a receita nos últimos anos é fruto da produção primária, que trouxe a indústria para cá”, encerrou.

Vídeo

Voltar Imprimir

Comentários

Chico Ferreira

Chico Ferreira

GD

GD

Enquete

Projeto de lei aumenta em quatro vezes pena de maus tratos contra animais

Parcial

Edição digital

Sábado, 15/12/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 19,90 1,53%

Algodão R$ 119,18 0,13%

Boi a Vista R$ 133,50 -1,48%

Soja Disponível R$ 67,30 -0,44%

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.