Publicidade

Cuiabá, Domingo 16/06/2019

Política de MT - A | + A

Aposentadoria e pensão 11.06.2019 | 11h55

Ex-senadores de MT custam R$ 1,3 milhão por ano aos contribuintes

Facebook Print google plus

Otmar de Oliveira

Otmar de Oliveira

Sete ex-senadores de Mato Grosso custam R$ 1,3 milhão por ano aos cofres de públicos, entre aposentadorias e pagamento de pensão para dependentes, com gasto de R$ 103 mil por mês. Com valores que variam de R$ 8,7 mil a R$ 22,1 mil, esses salários são pagos pelos contribuintes e no Brasil custam R$ 22 milhões por ano, com nomes que estão na lista de pagamentos desde a ditadura militar.

 

Dos que recebem a aposentadoria, o maior valor é de Júlio Campos, que se aposentou pelo PFL, hoje DEM, e recebe R$ 22,1 mil mensais. Depois dele a maior aposentadoria é de Márcio Lacerda, do MDB, com R$ 17,6 mil, advogado que foi senador de 1987 a 1995 e chegou a ser um dos líderes do partido no estado.

 

Leia também - Vaga no TCE é definida por quem tem mais dinheiro, diz José Riva em depoimento

 

Em terceiro lugar entre os ex-senadores de Mato Grosso aposentados está Antero Paes de Barros, do PSDB, que foi senador de 1999 a 2007, e hoje atua como consultor de campanhas políticas, recebe R$ 15.400. Outro nome na lista de aposentados é Louremberg Nunes, do MDB, que também foi senador entre 1987 e 1995, mas tem vencimento de R$ 13.200.

 

Entre os ex-senadores que deixaram pensão para dependentes e cônjuges, estão Benedito Canellas, do PDS, empresário que foi o primeiro senador eleito após a divisão do estado e ocupou o cargo de 1979 a 1987, falecendo em 2016. Canella deixou pensão de R$ 13.200.

 

Jonas Pinheiro, do DEM, faleceu em 2008, em pleno mandato de senador, que teve início em 2003. Para os dependentes, Pinheiro deixou uma pensão de R$ 12.600.

 

Jornalista, professor e advogado, Gastão Muller foi senador por Mato Grosso de 1963 a 1965 e depois de 1979 a 1987, pelo antigo Arena, partido que deu apoio à ditadura militar. Ao falecer, em 1996, deixou pensão de R$ 9.400.

 

Vale lembrar que além da aposentadoria, os ex-senadores também podem utilizar o sistema de saúde do Senado, que tem em sua rede credenciada os hospitais Sírio-Libanês e Albert Einstein, em São Paulo.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

cidão - 11/06/2019

É isso ai pessoal enquanto o pessoal segue desempregado esses politicos safados torram a nossa grana é por isso que as pessoa devem dedicar mais a leitura para aprender a votar.

Joao Soares - 11/06/2019

Depois quer que as contas fecham, sugou o estado a vida inteira, e nos que pagamos o pato, enquanto quem deveria ganhar bem , lhe e negado aquilo que é seu por direito. Muda Brasil

José Almeida rocha - 11/06/2019

Isto é uma vergonha.

3 comentários

1 de 1

GD

GD

Publicidade

Enquete

Dependente químico deve ser internado contra a sua própria vontade?

Parcial

Edição digital

Domingo, 16/06/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21,45 0,23%

Algodão R$ 91,08 0,24%

Boi a Vista R$ 130,50 0,00%

Soja Disponível R$ 65,25 0,23%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.