Cuiabá, Quinta-feira 21/02/2019

Política de MT - A | + A

Venda de vaga 16.09.2018 | 08h22

Originária da Ararath, Malebolge só tem uma ação proposta

Facebook Print google plus

No dia 14 de setembro de 2017, a Polícia Federal deflagrou a Operação Malebolge, 12ª fase da Ararath, com a missão de cumprir 64 mandados de busca e apreensão em 9 cidades mato-grossenses, o que incluiu Cuiabá, além de Brasília e São Paulo. Passado um ano da mobilização de 270 agentes e do afastamento de cinco dos seis conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE), só uma ação foi proposta, embora os indícios, já na época, apontassem para diversos outros crimes.

Chico Ferreira

Os alvos da ação proposta pela Procuradoria Geral da República (PGR) são o ministro Blairo Maggi (PP) e o conselheiro afastado Sérgio Ricardo. Eles são suspeitos de negociar a venda da vaga no TC ocupada por Sérgio Ricardo. A PGR aponta para os crimes de corrupção ativa e lavagem de dinheiro e pede a devolução de R$ 4 milhões.

Leia também - Silval, Eder, Riva e ex-conselheiros são interrogados sobre compra de vaga no TCE

Blairo Maggi, no entanto, ainda é investigado por uma suposta tentativa de atrapalhar as investigações em duas situações. A primeira, delas envolvendo a contratação de um mesmo advogado para os investigados no início da Ararath e, a segunda, ao supostamente pagar R$ 3 milhões ao ex-secretário Eder Moraes para que ele mudasse um depoimento ao Ministério Público.

A Malebolge também contempla suspeitas de que os conselheiros Antônio Joaquim, José Carlos Novelli, Valter Albano, Waldir Teis e Sérgio Ricardo cobraram e receberam mais de R$ 50 milhões em propina em troca de aprovar processos de interesse da gestão Silval Barbosa na Corte de Contas. Todos negam a acusação.

Afastados, os conselheiros continuam recebendo salários. Nos últimos 12 meses, Antonio Joaquim recebeu R$ 289,2 mil; Novelli recebeu R$ 286,8 mil; Sérgio Ricardo e Teis receberam R$ 258 mil, cada, e Albano, mais R$ 32,6 mil. Uma quantia que, se somada, chega a R$ 1,4 milhão saídos dos cofres públicos.

Também foram alvos da Malebolge o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), a prefeita de Juara, Luciane Bezerra (PV), e os deputados estaduais Ondanir Bortolini, o Nininho (PSD), José Domingos Fraga (PSD), Baiano Filho (PSDB), Wagner Ramos (PSD), Gilmar Fabris (PSD), Silvano Amaral (MDB), Oscar Bezerra (PV) e Romoaldo Filho (PMDB), assim como o deputado federal Ezequiel Fonseca (PP) e os ex-deputados Hermínio J. Barreto (falecido), Airton Português, Alexandre César e Antonio Azambuja.

Todos foram citados nas delações de Silval Barbosa, familiares e pessoas próximas, como o ex-chefe de gabinete Silvio Corrêa, depoimentos que deram base para a Malebolge ser deflagrada.

No caso dos deputados, o que pesa são as gravações em que aparecem recebendo dinheiro, propina, de acordo com o ex-governador.

Voltar Imprimir

Comentários

Chico Ferreira

Chico Ferreira

GD

GD

Enquete

Trocaria a energia elétrica pela energia solar em sua casa?

Parcial

Edição digital

Quinta-feira, 21/02/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 18,00 -0,55%

Algodão R$ 92,57 -0,17%

Boi a Vista R$ 136,24 0,13%

Soja Disponível R$ 65,50 -0,30%

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.