Publicidade

Cuiabá, Sexta-feira 23/08/2019

Política de MT - A | + A

Cota Zero 14.07.2019 | 08h49

Projeto que trata sobre atividade pesqueira em MT ganha apoio na internet

Facebook Print google plus

GCom-MT

GCom-MT

O projeto de lei do governo do Estado que trata sobre a pesca e que pretende proibir o transporte, armazenamento e comercialização de peixe pescado em rios de Mato Grosso, por um prazo de 5 anos, tem gerado discussão em diversos setores. Para demostrar que a proposta tem captado apoiadores, Mauro Mendes (DEM) apelou para empresários do setor turístico e apresentadores de programas de pesca esportiva. O governador tem publicado em suas redes sociais uma série de depoimentos de representantes dos segmentos, destacando a ação como um ponto positivo para o Estado.  

 

Chamado de Cota Zero, o projeto trata da Política Estadual de Desenvolvimento Sustentável da Pesca e regulamenta as atividades pesqueiras e está em tramitação na Assembleia Legislativa. Além de reforçar a proibição durante a Piracema e com itens como explosivos, ceva fixa, substâncias tóxicas e outros métodos depredatórios, o PL 668/2019 traz mudanças como a proibição de que pescadores amadores - desde que registrados e com carteira de pescador - levem peixes para casa, podendo apenas praticar a modalidade "pesque e solte".   

 

Leia também - Projeto de suspensão da pesca por 5 anos causa polêmica

 

Reprodução

Setor turístico pesca esportiva

 

O empresário Julivan Trindade, dono de uma pousada instalada às margens do rio Manso, é um dos que se manifestaram.

 

“A gente emprega 20 pessoas diretamente, fora os empregos indiretos. 99,9% dos produtos comercializados dentro da nossa pousada saem do próprio Estado. Investimos na região e estamos preocupados, porque a cultura de matar o peixe está acabando as espécies do rio. Nossos hóspedes não estão querendo mais vir, preferem a Argentina, porque lá existe preservação”. E faz um apelo: “O melhor para nós é protegermos os rios”.   

 

Fausto Eduardo apresentador do Programa Caminhos do Brasil, um dos principais programas sobre pesca esportiva do país, também deu sua opinião. 

 

Reprodução

Setor turístico pesca esportiva

 

“Eu sou a favor da cota zero para todos os rios de Mato Grosso. Se você preservar agora, com certeza as futuras gerações terão esse mesmo privilégio de fazer a sua pescaria. Vamos preservar!”, alerta.   

 

Outra publicação foi a de Kid Ocelos, apresentador programa Na Pegada do Fly, produção do canal Fish TV. “Estou dando a maior força para a Federação de Pesca Esportiva de Mato Grosso com relação à cota zero das espécies nativas. Isso é muito importante para a preservação do meio ambiente. Fique esperto nessa e pratique o pesque e solte!”.   

 

Na terça-feira (9), o projeto ganhou novos defensores. O apresentador Jango, do programa Pesca e Aventura com Jango, destacou o empenho do governador na luta pela preservação. “Este projeto vai fazer a diferença. Os peixes vão continuar nos rios. Vamos apoiar a proposta, que é maravilhosa”.  

 

O proprietário de embarcações Cairo Bernardino ressaltou que atua no setor de pesca esportiva e amadora há mais de 12 anos no Pantanal e faz parte de órgãos e associações que defendem a pesca esportiva e a preservação do meio ambiente. “Sou totalmente a favor do pesque e solte e da proibição do transporte dos nossos peixes”, afirmou.  

 

Reprodução

Setor turístico pesca esportiva

 

Outro empresário do ramo hoteleiro Clodomir Seulato, que atua na região de Cáceres, demostrou ser favorável à implementação. “Apoio o cota zero, para o transporte zero do pescado de Mato Grosso”.  

Por fim, a publicação de Mendes destaca que a proposta é de proibir o transporte e a comercialização, permitindo a pesca esportiva, amadora e consumo do peixe na beira do rio. “O que não pode é transportar e comercializar”, frisa.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

CARLOS ALBERTO DA CONCEICAO SILVA - 15/07/2019

Os dois estados tem um fiscal a cada 204 km² tem a missão de preservar o Pantanal, bioma que ocupa parte do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul e é um dos mais conservados do mundo. Em um levantamento feito por uma emissora de TV que percorreu parte dos dois estados e encontrou casos de abate ilegal de jacaré, pesca em local proibido e uso de apetrechos vetados. Em todos os casos, ou não havia fiscalização no momento, ou ela chegou depois, Para se ter uma idéia, o Sistema de Parques Nacionais dos Estados Unidos tem à disposição mais de 20 mil servidores para 340 mil km² de unidades de conservação, o que representa em média um servidor a cada 17 km². Não e pescador de final de semana que esta acabando com o peixe e nem mesmo os ribeirinho mais sim turistas hospedados em barcos-hotéis costumam pescar por dias áreas que conservam e cruzar a fronteira entre o permitido e o irregular impunemente é uma questão de minutos. E ainda tem as grandes peixarias dos estados de são Paulo e minas gerais que na época das cheias do pantanal em que o peixe fica mais fácil de capturar colocam certos pantaneiros para pescar para eles a troco de seta básica Matogrosso tem Policia militar ambiental MT- 190 policiais para todo o estado Cema 108 servidores com poder de fiscal desses somente oito fiscaliza a pesca do doura foi proibida por cinco anos se se passaram oito e ainda esta proibida tudo isso só mostra a incapacidade do governo de fiscalizar não adianta proibir o pequeno e deixar o grande fazer a festa ou governo esta mesmo e querendo beneficiar os criadores de peixe de tanque quem apóia uma decisão dessa deveria ler um pouquinho mais

Aroldo Nunes - 15/07/2019

Eu sou a favor. O Rio Cuiabá ja não tem mais peixe.

laercio - 15/07/2019

parabéns pela iniciativa governador ! na minha opinião não está se discutindo sobre classe social( pobre ou rico ) e sim em uma preservação ambiental

ALICIO - 15/07/2019

o q realmente acaba com os peixes do rio são despejos de toneladas de lixo e esgoto, quem sobrevive da pesca , deve ser conscientizado da manutenção ambiental. agora barcos para cima e para baixo, poluindo rios, despejando lixo, este s sim devem ser proibidos. pesca e solte , não concordo , a mortandade será muito elevada , e quem deve ter à sua mesa sua subsistência , sofrerá com a falta. SIM, PELA PROIBIÇÃO DE BARCOS, SOBE E DESCE RIO .. E PESCA E SOLTE.

LISANGELO JOSE DE SALES - 14/07/2019

Esses comentários são de quem tem dinheiro né não dos pescadores que sustentam sua família com a pesca ou até mesmo dos comerciantes de loja de pesca que vivem da venda pra sóbrevicencia isso é uma loucura aonde já se viu peixe ser pego e depois soltar vai machucar todos os peixes e irão morrer isso sim vcs já preservaram a pesca do Dourado proibiram a qto tempo mas garanto que os que tem dinheiro pescam eles numa boa já era pra ter liberado o dourado pois o que mas tem nesse rio Cuiabá hoje é dourado só os ricos que podem essas leis so atingem os pobres quisesse fazer algo que preste mesmo retirava as redes que existem em torno do rio impedindo os peixes de subirem até mesmo na época da Piracema

Nilma brito - 14/07/2019

Sou totalmente contra, primeiro temos em nossa cultura levar um peixe p comer com nossa família isso é tradição, segundo temos as PCHS , terceiros, temos assoreamentos, lixo, esgotos, desmatamentos, agrotóxicos, jacarés, etc, até mesmo o Dourado que foi proibido por grupo de bacanas sem nenhum respaldo técnico, agora depois oito anos tem um laudo sem pronto , onde uma determinada Professora da UFMT, explanou no Cepesca , onde foi constatado que nunca foi necessário a proibição pelo contrário provou um grande desequilíbrio ambiental, mais isso os bacanas aí não falam né) Então vamos deixar a hipocrisia de um lado e ter embasamentos técnicos antes de miserabilizar a massa e favorecer meia dúzia.

6 comentários

1 de 1

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

GD

GD

Enquete

Qual seria o maior avanço da ciência?

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 23/08/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21,05 10,79%

Algodão R$ 92,48 -0,46%

Boi a Vista R$ 134,89 0,77%

Soja Disponível R$ 65,86 0,00%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.