Cuiabá, Quinta-feira 15/11/2018

Política de MT - A | + A

18.05.2017 | 15h52

Wilson nega ter recebido verba e pede certidão da AL

Facebook Print google plus

O deputado licenciado e atual secretário de Estado das Cidades, Wilson Santos (PSDB), vai solicitar à Assembleia Legislativa de Mato Grosso (AL) que emita uma certidão demonstrando para quem foi paga a verba indenizatória de R$ 65 mil à qual o titular do mandato tem direito.

Ele quer comprovar que não recebeu os valores enquanto esteve licenciado da Assembleia, entre 21 de novembro de 2016 e 10 de abril de 2017, para assumir a Secretaria de Estado das Cidades (Secid), conforme nota enviada à imprensa nesta quinta-feira (18).

JL Siqueira/ALMT

Deputada Janaina acusou o deputado Jajah de repassar a verba de gabinete para Wilson, titular do mandato. A prática é ilegal.

A ação é uma resposta às acusações feitas pela deputada estadual Janaína Riva (PMDB), durante sessão plenária de quarta-feira (17). 

Na ocasião, ele denunciou que o suplente de Wilson que ocupa a cadeira de titular, Jajah Neves (PSDB), estaria repassando a verba de gabinete para o secretário. A prática é ilegal e ocorreria "por debaixo dos panos".

No entanto, conforme a nota, Wilson garantiu que recebeu “com absoluta tranquilidade” as acusações feitas e sugeriu que a deputada colhesse depoimento sobre o assunto de Jajah Neves e também do atual presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Antonio Joaquim, que foi seu suplente na Assembleia no ano de 1993.

Ele lembrou que o ex-deputado José Magalhães também assumiu como seu suplente em 2000 no cargo de deputado federal e poderia atestar que ele nunca exigiu tal "devolução".

Wilson reforçou ainda que sua trajetória política é um exemplo de seu perfil de trabalho e “mostra sua seriedade no trato com o dinheiro público”.

Bate-boca – As acusações entre Janaina e Jajah causaram um intenso bate-boca e a sessão teve de ser interrompida. Além de denunciar o repasse indevido da verba, a deputada chamou Jajah de “ladrão”.

Por isso, ele disse que vai acioná-la no Parlamento por quebra de decoro e que vai acioná-la judicialmente. Janaina, por sua vez, pediu desculpas pelo ocorrido.

Voltar Imprimir

Comentários

cbconan - 19/05/2017

BOM DIA SENHORES ACHO INCRIVEL ESSE CIDADÃO, NUNCA SABE DE NADA COITADINHO AFF TO FARTO DESSA TROCA DE FAVORES ENTRE A POLITICAGEM DE MT, UMA VERGONHA OQUE ESSE GOVERNO ATUAL FAZ COM MATO GROSSO, AGORA ATE O DEPUTADO ESTA NO COLOIO , ALIAS SEMPRE ESTE,, UMA VERGONHA , SE DIZ SER DO LADO DA POPULAÇÃO QUE MAIS PRECISA E DEPOIS E COMPRADO POR CARGO PUBLICO , MÍDIA FAMA, STATUS AONDE VAMOS PARAR COM ESSES POLÍTICOS..... NAS PRÓXIMAS ELEIÇÕES CUIDADOS COM OS PROGRAMAS POPULARES DA TELEVISÃO POR QUE NÃO PASSA DE UMA BUSCA PARA CARGO PUBLICO SALARIO GORDO, OQUE POLITICO QUANDO SE ELEGE PARA TRABALHA A FAVOR DO MAIS HUMILDE NÃO SE ATRELA AO COLOIO DE MALAS, NÃO FICA A FAVOR DE GRUPO POLITICO FICA A FAVOR DA VERDADE E DO POVO QUE O ELEGEU, A CASA VAI CAIR DEPUTADO DEPOIS NÃO ADIANTA CHORAR QUE NÃO TEVE OPORTUNIDADE #FORACOLOIODECORUPTOSTROCADEFAVORES

1 comentários

1 de 1

Chico Ferreira

Chico Ferreira

GD

GD

Enquete

Como serão as festas e confraternizações de fim de ano depois da polarização eleitoral?

Parcial

Edição digital

Quinta-feira, 15/11/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 19,80 -1,25%

Algodão R$ 91,36 -0,12%

Boi a Vista R$ 132,00 0,00%

Soja Disponível R$ 75,10 -0,40%

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.