Cuiabá, Quinta-feira 18/10/2018

Política Nacional - A | + A

14.06.2018 | 13h38

STF retoma hoje julgamento sobre validade da condução coercitiva

Facebook Print google plus

O plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) realiza nesta quinta-feira (14) a terceira sessão para julgar a validade das conduções coercitivas — quando um juiz determina que um investigado seja levado contra a própria vontade para prestar depoimento à polícia. O placar até o momento é de 4 a 2 para manter as conduções, mas respeitando determinações prévias. A sessão começa às 14h.

Divulgação

Duas ações propostas pelo Partido dos Trabalhadores e pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) alegam que a coercitiva, embora prevista no Código Penal, não é compatível com a liberdade de ir e vir garantida pela Constituição.

Em dezembro, o ministro do STF Gilmar Mendes decidiu provisoriamente, por meio de liminar, suspender o recurso em todo o país. O julgamento de hoje serve para uma decisão definitiva sobre o tema.

As coercitivas são bastante utilizadas pelo juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Criminal de Curitiba (PR), responsável pela Operação Lava Jato na 1ª instância. Advogados dos acusados, no entanto, alegam abuso na utilização do recurso, já que há situações em que o investigado é conduzido à força antes de uma intimação oficial para prestar depoimento.

Foi o que aconteceu com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em março de 2016, levado para prestar depoimento no escritório da Polícia Federal no aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

Para a OAB, a coercitiva só pode ser autorizada caso o investigado não cumpra a intimação para depor.

Essa tem sido a visão majoritária até o momento após duas sessões de julgamento.

Após o relator da ação, Gilmar Mendes, votar contra as coercitivas na semana passada, o ministro Alexandre votou a favor da condução coercitiva, mas apenas se o investigado não atender à intimação prévia para interrogatório.

Seu posicionamento foi acompanhado até agora pelos ministros Edson Fachin, Luís Barroso e Luiz Fux. Rosa Weber foi a única que concordou com o entendimento de Mendes.

O placar está em 4 a 2 pelo posicionamento de Moraes. Ainda faltam cinco ministros para votar: Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio, Celso de Mello e Cármen Lúcia.

Como votou cada ministro até o momento:

Gilmar Mendes: o relator votou contra a condução coercitiva. Para Gilmar Mendes, esse tipo de condução é coação arbitrária do investigado.

Alexandre de Moraes: a favor da condução coercitiva, mas apenas se o investigado não atender a intimação prévia para interrogatório.

Edson Fachin: a favor da condução coercitiva, mas ela só pode ser decretada em substituição a medidas mais gravosas (prisão preventiva ou prisão temporária) ou se o acusado não atender a intimação prévia para interrogatório.

Luís Barroso: a favor da condução coercitiva desde que o investigado não tenha atendido a intimação prévia para interrogatório.

Rosa Weber: acompanhou o relator e votou contra a condução coercitiva.

Luiz Fux: a favor da condução coercitiva desde que precedida de intimação. 

Voltar Imprimir

Comentários

Enquete

Qual sua expectativa sobre os políticos que vão ocupar o Congresso Nacional?

Parcial

Edição digital

Quinta-feira, 18/10/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21,35 0,71%

Algodão R$ 97,23 -0,18%

Boi a Vista R$ 131,00 0,00%

Soja Disponível R$ 75,30 -0,13%

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.