Publicidade

Cuiabá, Sábado 26/09/2020

Colunas e artigos - A | + A

12.08.2020 | 11h51

A triste partida de Adir Sodré

Facebook Print google plus

João Carlos Gomes

Divulgação

Divulgação

A triste partida de Adir Sodré numa manhã de agosto de 2020 causou perplexidade na alma dos seus contemporâneos. Confesso que também fiquei perplexo com a morte de Adir e na hora me veio às lembranças dos nossos papos e diálogos no seu atelier do bairro pedregal em Cuiabá. Ele adorava produzir sua arte ouvindo música de boa qualidade que ia de MPB ao rock progressivo de Santana. Mas o mais bacana mesmo era ouvir as reflexões políticas e intelectuais sobre as mazelas do mundo. Era uma ser humano que vivia a frente do seu tempo. Recebi o comunicado da morte do Adir através compartilhamento de uma notícia de A Gazeta Digital informando que o artista plástico Adir Sodré, de 58 anos, um dos mais renomados de Mato Grosso, havia sofrido um infarto na frente da casa onde morava. Fiquei imaginando: morreu de ataque fulminante deve ser bom: não tempo para o sofrimento.

 

Confesso que não gosto da ideia da morte. Apesar de não ter medo da morte, não gosto de pensar nela. Assim como acho uma viagem sobrenatural pensar em ‘projetos de salvação cristã’. A morte não é a parte mais bela da vida. A parte mais bela da vida é o legado  que produzimos enquanto vivemos.

 

J.R .R Talkin na saga Senhor dos Anéis revela que há  “muitos que vivem merecem a morte. E alguns que morrem merecem viver”. Mãe, por exemplo, é uma injustiça morrer. Nesta perspectiva a poética drummondiano revela porque as mães não deviam morrer:

 

Por que Deus permite

Que as mães vão-se embora?

Mãe não tem limite

É tempo sem hora

Luz que não apaga

Quando sopra o vento

E chuva desaba

Veludo escondido

Na pele enrugada

Água pura, ar puro

Puro pensamento

Morrer acontece

Com o que é breve e passa

Sem deixar vestígio

Mãe, na sua graça

É eternidade

Por que Deus se lembra

- Mistério profundo

- De tirá-la um dia?

Fosse eu rei do mundo

Baixava uma lei:

Mãe não morre nunca

Mãe ficará sempre

Junto de seu filho

E ele, velho embora

Será pequenino

Feito grão de milho  

 

O que mais acho chato nas reflexões sobre a morte é que sabemos que um dia a vida acaba, e a gente nunca está preparada para perder alguém querido. Pai e mãe então são injustiças e pecado mortal praticado por Deus contra os filhos. Por outro lado, a morte de um filho é um arrebento das dores do mundo da existência humana. Já a perda de um amigo querido é um ato desumano carregado de grande abismo. Nestes prismas, Talkin está politicamente correto: Muitos que vivem merecem a morte. E alguns que morrem merecem viver. Mas o exagerado do Cazuza tinha uma reflexão belíssima sobre esse prisma: Os idiotas são mais felizes. Eles não sabem que vão morrer.

 

Neste cenário reflexivo da Morte de Adir de Sodré a literatura de Markus Zusak, em a menina que roubava livro, nos leva nos revela que “quando a Morte conta uma história, você deve parar para ler”. Neste contexto, as leituras que faço com a morte de Adir são as seguintes: Particularmente convivi com Adir e a família ‘nas entranhas do bairro pedregal’, que fica localizado nos fundos da Universidade Federal de Mato Grosso. Considero Adir uma das maiores revelação das artes plásticas do atelier livre da Universidade Federal de Mato Grosso, assim como Gervane de Paula, Nilson Pimenta, Benedito Nunes, entre outros que a crítica de arte Aline Figueiredo Espíndola revela que no mato grosso e arte também é arte.

 

As artes plásticas de Adir Sodré encontra-se presente para além do seu tempo de existência. Adir foi um artista carregado de humanidade com um potencial sobrenatural e tem sua arte reconhecida, não apenas em Mato Grosso, mas no Brasil e no Museu de Arte Moderna de Paris. Sua arte revela registro da vida cotidiana com representações do pedregal, dos quintais cuiabanos, da estética do cerrado de Mato Grosso, e dos artefatos da cultura e identidade cuiabana. A arte de Adir Sodré revela também sua admiração pelo pintor francês Henri Matisse, por meio das cores puras e os elementos decorativos em obras nas quais o erotismo é muito presente, como em Falos e Flores (1986) ou Orgia das Frutas (1987).

 

Há mim as artes plásticas de Adir Sodré sempre encantou meu olhar e alma carregada de  orgasmo na contemplação das suas obras que representam elementos exclusivos do seu estilo como a melancia-vagina, montanha-seios, pênis-borboletas, mangas-tetas, num transbordante processo de humanização estética da natureza mato-grossense.

 

Na arte de Adir Sodré está presente o perspectivismo ameríndio dos pressupostos a respeito da síntese conceitual operada por Eduardo Viveiros de Castro para tratar de uma importante matriz filosófica amazônica no que se refere à natureza relacional dos seres e da composição do mundo. Em sua produção os temas relacionados à cultura regional e questões acerca dos povos indígenas e quilombolas, à invasão causada pelo turismo em determinadas regiões do Brasil e ao consumismo, no quadro Dolores Descartável (1984). De forma geral, as artes plásticas produzidas por Adir Sodré, os seres naturais e culturais são providos de alma aparentados como humanos representados na forma de animais, frutas, entre outras modalidades de representações humanas do movimento permanente da contra antropologia.

 

E neste contexto do perspectivismo que gostaria de registar que na década de 80 tivemos o prazer de ao lado dos amigos que a vida nos dá: Zezinha, Ana, Rosa, Helinho, Henry, Joel Sabino, Jorilda Sabina (que era reconhecida como Cinderela negra do Pedregal), Sapo, Lourival Abich, Antônio Sodré (o irmão poeta do Adir) entre outros companheiros dos movimentos sociais constituídos no bairro pedregal, que juntos editávamos um jornal comunitário denominado de “O Coletivo”- que era distribuído gratuitamente no transporte coletivo de massa que fazia linha para o bairro pedregal -, todo ilustrado manualmente pelo Adir Sodré. Depois de o layout pronto Adir ilustrava a capa e as notícias principais.

 

Por fim, gostaria de refletir o pensamento de Vitor Hugo que assegura que ‘A vida não passa de uma oportunidade de encontro; só depois da morte se dá a junção; os corpos apenas têm o abraço, as almas têm o enlace. Como a vida é feita de encontros e muitos desencontros, para finalizar esse manifesto da triste partida de Adir Sodré, quero registra também que Antônio Sodré, irmão de Adir que nos deixou em 19/02/2011, vítima de um infarto fulminante, depois que se sentiu mal durante um sarau no bairro Coophema, em Cuiabá.

 

Sodrezinho como chamávamos carinhosamente, foi um artista de Cuiabá que se autodenominava "El poeta de la transmutación". Além de poeta, Sodré transitava pela música, artes cênicas e artes plásticas. Para fechar essa manifesto pela arte, reflita os abismos humana da sua transmutação poética.

 

abismumano  

um abismo me separa

dos meus próprios semelhantes ...    

 

 

mas se tento chegar mais perto deles

sinto estar mais longe do que estava antes!    

 

é que entro cada vez mais

para dentro de mim mesmo

numa viagem, que se afasta da chegada,

pois vou pra lugar nenhum

numa lenta caminhada ...    

 

... que me diminui não sou,

pois nunca fui...  

 

... apenas me desfaço

como uma estátua que rui! ...  

 

Antônio Sodré (2005) 

 

João Carlos Gomes é professor da Universidade Federal de Rondônia.

 

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Onze candidatos disputam o Senado, você acha que o número amplia o leque de propostas ou mostra a desunião da classe política?

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 25/09/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21,90 0,92%

Algodão R$ 94,38 0,20%

Boi a Vista R$ 124,25 0,20%

Soja Disponível R$ 71,00 -0,28%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.