Publicidade

Cuiabá, Sexta-feira 23/10/2020

Colunas e artigos - A | + A

17.10.2020 | 09h01

Brasil x Peru e a democratização das comunicações

Facebook Print google plus

Dirceu Cardoso

Divulgação

Divulgação

Faltava menos de uma hora para o começo da partida Brasil x Peru, na última terça-feira, válida pelas eliminatórias à Copa do Catar, quando a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e a Empresa Brasileira de Notícias (EBN) anunciaram a sua  transmissão pela TV Brasil. Com isso, os torcedores puderam acompanhar as jogadas e ver os quatro gols da Seleção. O acontecido faz parte das acomodações posteriores aos escândalos de propinas e outras irregularidades cometidas por dirigentes mundiais do futebol. Os direitos de transmissão, outrora pertencentes à Federação Internacional de Futebol (Fifa), são agora das federações dos países que sediam as partidas e, no caso de Brasil x Peru, a Rede Globo – tradicional detentora dos jogos das Copas do Mundo no Brasil – não chegou ao acordo com a federação peruana.

 

A alternativa encontrada pela CBF foi buscar uma emissora pública para a transmissão e colocar o jogo no seu site de internet. Com isso, o governo acaba de encontrar uma finalidade à TV Brasil, diferente da original que, ao que parece, era apenas o empreguismo dos aliados dos governos que a criaram. Disseminada no Brasil todo pela TV Digital e operadoras por assinatura, a emissora conseguiu, com a partida de futebol, chegar a 3 pontos de audiência em São Paulo e a 8 em Brasília, marcas nunca antes alcançadas. Talvez seja a alternativa para servir aos esportes em todas as modalidades que não interessam ou não haja a possibilidade de acordo entre os organizadores e as TVs comerciais. É bom lembrar que, quando uma emissora detém o direito de transmissão, pode transmitir ou não o jogo, de acordo com seus interesses comerciais, e o grande prejudicado é o torcedor, que fica privado do espetáculo. A presença do canal público resolve esse problema.  

 

Essa é mais uma transformação por que passam o mundo e as comunicações. Originalmente havia no Brasil três redes de televisão sendo uma delas disparada na frente e, com isso, acessando o maior bolo publicitário privado e estatal. Com a TV por assinatura, surgiram as operadoras e proliferaram as opções de programação. Mas, o novo tempo veio com o avanço da internet e similares, com os streamings e outras possibilidades de veiculação de programação com imagens que hoje abrigam as lives e já testaram a transmissão de jogos de futebol sem a participação das emissoras. É a democratização da comunicação que, se não ocorre por boa-vontade do meio, acaba acontecendo à sua revelia.

 

O Brasil e o mundo ainda não encontraram o formato ideal para o aproveitamento das novas oportunidades de comunicação. As redes sociais e os canais disponibilizados ainda constituem experimentações. Parlamentares, políticos e até detentores das comunicações tradicionais pregam a necessidade de estabelecer parâmetros e acusam-se mutuamente de pretenderem criar a censura (que é proibida por lei em nosso país). Na verdade, é necessário que os usuários tenham consciência do poder de multiplicação de cada veículo da nova comunicação e os utilizem com bom-senso e sempre no pólo positivo. É inadmissível que se pregue para a internet, redes sociais e outros novos meios a mesma legislação restritiva e passível de uso político e cartelizado que durante muitos anos vigorou no país e ainda conserva algumas das suas inconveniências.

 

É preciso entender que o mundo é outro depois que a comunicação rápida e abundante tornou-se disponível até ao aparelho telefônico que carregamos no bolso. O único pnto que deve  ser observado é a proibição do anonimato. Quem cometer crimes usando essas ferramentas, deve responder com base na legislação já existente. Nada mais..,

 

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo (Aspomil) 

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Como você avalia a ausência de um candidato convidado para debater com adversários?

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 23/10/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 59,50 1,71%

Algodão R$ 123,29 2,03%

Boi à Vista R$ 242,24 0,00%

Soja Disponível R$ 161,00 1,51%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.