Publicidade

Cuiabá, Domingo 20/10/2019

Brasil - A | + A

Ocultação de provas 03.10.2019 | 14h15

Mulher de Ronnie Lessa foi mentora de ação para destruir armas

Facebook Print google plus

Divulgação

Divulgação

A mulher de Ronnie Lessa, preso acusado de executar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes, foi a mentora de uma ação para obstruir a justiça e ocultar provas da Polícia Civil. Segundo a promotora Simone Sibilio, do MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro), Elaine Lessa teria acionado o irmão para que ele fizesse a limpeza no apartamento do marido, localizado no Pechincha, zona oeste do Rio, que era usado como depósito.

 

Leia também - Polícia prende 4, entre eles mulher e cunhado de acusado de matar Marielle

 

Elaine Lessa e seu irmão, Bruno Figueiredo, foram presos nesta manhã junto com Márcio Montavano, o Márcio Gordo, e Josinaldo Freitas, conhecido como Djaca, acusados de obstrução à Justiça.

 

De acordo com a promotora, a limpeza no apartamento foi realizada no dia 13 de março, um dia após a realização da operação Lume, que prendeu Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz. Todo o grupo sabia que a polícia poderia chegar ao local e organizaram a ação para se desfazer do material.

 

Bruno fez a limpeza do espaço junto com Márcio, que encaixotou diversas armas. No dia seguinte, 14 de março, Márcio levou essas e outras armas até  Djaca, que havia contratado o serviço de um taxista para transportá-las até o Quebra-Mar, na Barra da Tijuca, também na zona oeste. De lá saiu o barco que levou o material até o oceano.

 

Segundo as investigações, o pescador teria recebido R$ 300 para levar Djaca com “fuzis e pequenas caixas”, que estavam em uma mala, perto das Ilhas Tijucas.

 

Em coletiva na manhã desta quinta-feira (3), o titular da DH-Capital (Delegacia de Homicídios da Capital) Daniel Rosa afirmou que, de acordo com testemunhas, ao menos seis armas foram jogadas ao mar.

 

Federalização

O chefe do Departamento Geral de Homicídios e Proteção à Pessoa, delegado Antônio Ricardo, falou durante a coletiva que federelizar as investigações do caso Marielle “será prejudicial”.

 

“A DH tem expertise para concluir a investigação, tem capacidade de identificar os mandantes do crime. Qualquer tentativa de retirada da Polícia Civil e do MP-RJ será um retrocesso. Essas operações provam a capacidade investigativa dos dois órgãos.” (Sob supervisão de PH Rosa).

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

GD

GD

Enquete

Qual será o resultado das discussões sobre fake news no Congresso Nacional?

Parcial

Edição digital

Domingo, 20/10/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 18,00 -0,55%

Algodão R$ 98,15 0,17%

Boi a Vista R$ 135,00 -0,37%

Soja Disponível R$ 64,95 -0,08%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.