Publicidade

Cuiabá, Quinta-feira 05/12/2019

Brasil - A | + A

Requintes de crueldade 13.08.2019 | 11h23

'Quem matou foi meu pai. Quem procurou isso foi o Daniel', diz a filha

Facebook Print google plus

Reprodução Twitter

Reprodução Twitter

"Quem matou o Daniel?

 

"Meu pai.

 

"A partir do momento que entrou naquele quarto, não pensou nas consequências.

 

"Uma mulher casada, embriagada, dormindo.

 

"Uma casa de família...

 

"Ele pensou que por ser um jogador, por ter dinheiro, podia fazer isso.

 

"As coisas não funcionam assim."

 

Essas foram as declarações que resumem a linha de defesa da família Brittes, no brutal homicídio do jogador do São Paulo, Daniel Correa.

 

Elas foram dadas por Allana, filha de Edison Brittes, assassino confesso do atleta de 24 anos, ao SBT.

Allana comemorava seu 18º aniversário quando aconteceu o crime. Ela, sua mãe, seu pai, Daniel e amigos saíram de uma casa noturna em Curitiba e foram esticar a comemoração na casa da família, quando houve o crime.

 

Ela fez questão de isentar a mãe, Cristiana, de ter incentivado Daniel a entrar no quarto.

 

"Minha mãe nunca deu liberdade nenhuma para o Daniel. Ela nunca trocou uma palavra com ele, ela nunca deu essa liberdade para homem nenhum, foi sempre apaixonada pelo meu pai. Ela disse que sequer sabia como era a voz dele e que não sabia porque ele fez isso."

 

Daniel entrou no quarto, onde Cristiana supostamente dormia, tirou fotos e publicou nas suas redes sociais. Edison as teria visto e invadido o quarto e começado a espancar Daniel. Ele e mais três amigos. 

 

Foram socos, chutes e enforcamento.

 

A intenção de Edison, de acordo com seu depoimento, foi mesmo de matar Daniel.

 

"Sai correndo, desci a escada e no pé da escada encontrei minha mãe chorando pedindo ajuda. Quando entrei no quarto, vi meu pai segurando o Daniel pelo pescoço em cima da cama. Ele estava de cueca, de camiseta, meu pai me disse: 'ele estava na cama tentando estuprar sua mãe'", disse Allana.

 

De acordo com exames feitos no sangue do atleta, ele estava completamente embriagado, não teria forças para estuprar Cristiana. E nem para se defender dos quatro agressores.

 

"Ele não foi a única vítima, no meu ponto de vista. Para mim a minha mãe foi a maior vítima. Ela estava dormindo na cama dela, no quarto dela e, se uma mulher não tiver privacidade, paz na própria cama, na própria casa, não sei onde vai ter", ressaltou Allana.

 

Sobre a atitude do pai, ela reafirma entender.

 

"Eu procuro não pensar. Sempre vou vê-lo como meu pai, que fez tudo para mim por 18 anos. Vou estar sempre do lado dele. Eu não condeno, eu sei que ele não procurou isso.

 

"O Daniel procurou isso, ele foi sem ser convidado, entrou no quarto da minha mãe, importunou ela enquanto estava dormindo. Ele não morreu de graça, ele procurou isso."

 

Garante que o pai se arrependeu.

 

"Ele me abraçou e disse 'me perdoa, filha' e começou a chorar. 'Eu só queria proteger sua mãe'. Meu pai foi tomado pela emoção, pelo ódio. Nunca imaginei que o Daniel pudesse morrer."

 

Allana diz que sua 'vida acabou'.

 

"Penso que a família dele não tem nada a ver com os erros dele, não tem culpa de nada e entendo a dor. Só que a minha família também foi destruída, assim como a dele. Não tenho vida mais, a minha vida acabou lá. A minha vida é a minha família, hoje estou sem eles."

 

Sobre as mentiras que contou para a mãe de Daniel, poucas horas após o crime, dizendo não saber o que aconteceu com o jogador e garantindo que procuraria descobrir, Allana se justificou.

 

"Não foi mentir, naquele momento eu não podia falar o que realmente estava acontecendo. Eu estava muito em choque, abatida, a ficha não tinha caído. Sei que errei, mas errei para proteger meu pai."

 

Allana é acusada de fraude processual, corrupção de menores e coação. Depois de nove meses presa, seus advogados conseguiram habeas corpus, foi libertada para responder a acusação fora da cadeia.

 

Seu pai, Edison e mais três amigos, Eduardo Henrique da Silva, Ygor King, e David Willian Vollero Silva, respondem na justiça pelos crimes de homicídio qualificado, com motivo torpe, meio cruel, impossibilidade de defesa da vítima, ocultação de cadáver e fraude processual.

 

A mãe é acusada de homicídio qualificado, com motivo torpe, e coação no curso do processo.

 

Evellyn Perusso, amiga de Allana, responde por fraude processual.

 

Os acusados presos começarão a falar em juízo, hoje, a partir das nove horas da manhã, em Curitiba.

 

A linha de defesa de Edison e Cristiana já foi mostrada por Allana.

 

Colocar toda a culpa da situação em Daniel.

 

Como a invasão do quarto para tirar fotos com Cristiana justificasse o espancamento, ter o pênis decepado, e a morte com um corte enorme no pescoço, feito por uma faca de churrasco, na tentativa de Edison de degolá-lo...

 

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Ondas de manifestações ocorridas em países como Chile e Colômbia podem chegar ao Brasil?

Parcial

Edição digital

Quinta-feira, 05/12/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 20,65 -0,48%

Algodão R$ 92,48 -0,47%

Boi a Vista R$ 132,33 0,51%

Soja Disponível R$ 65,10 0,15%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.