Publicidade

Cuiabá, Domingo 29/03/2020

Cidades - A | + A

retrospectiva 25.12.2019 | 13h30

Com o dobro do orçamento inicial, HMC é entregue após 4 anos de obras

Facebook Print google plus

Gazeta Digital

Retrospectiva 2019

 

Quatro anos e 4 meses, dois prefeitos e dois governadores. O funcionamento completo do Hospital Municipal de Cuiabá foi quase uma novela, cheia de capítulos e reviravoltas, que terminaram em 18 de novembro, quando a unidade passou a funcionar com 100% da capacidade, se tornando o maior hospital público de Mato Grosso.

 

O mais novo hospital público é de gestão municipal e tem 315 leitos. Quando a ordem de serviço foi assinada, em julho de 2015, na gestão de Mauro Mendes (DEM) como prefeito, o custo era de R$ 76,9 milhões e prazo de 20 meses, com conclusão em maio de 2017.

 

No final, custou R$ 180 milhões, sendo R$ 100 milhões vindos do governo federal, com capacidade para 35 mil atendimentos por mês. O impulso para o término do projeto veio com o programa “Chave de Ouro”, do governo de Michel Temer (MDB), de finalizar o governo com várias obras inauguradas.

 

João Vieira

 

A previsão de término em 2017 não foi alcançada e coube a Emanuel Pinheiro (MDB) concluir as obras e viabilizar o funcionamento, com equipamentos e contratação de pessoal, realizada pela Empresa Cuiabana de Saúde, que foi barrada temporariamente pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE).

 

Terminada a obra, entregue em 6 etapas por Emanuel Pinheiro, o hospital tem uma área construída de 21 mil metros quadrados, em um terreno de 7,5 hectares, no bairro Ribeirão do Lipa, em Cuiabá. Ao todo são 315 leitos, sendo 20 para o Centro de Tratamento de Queimados (CTQ), 60 para Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e 38 de emergência, além de 6 salas de cirurgia e 13 leitos de recuperação pós-anestesia.

 

Com as UTIs do Hospital Municipal, a Prefeitura dobrou a capacidade desse tipo de atendimento. Segundo o prefeito, em 2016, quando a atual gestão assumiu, Cuiabá tinha 69 leitos de UTI, sendo 50 no Pronto-Socorro e 19 no São Benedito. A partir de novembro, são mais 60 leitos de UTI apenas no HMC, além de 11 novos no Hospital São Benedito.

 

Outro ponto que gerou controvérsia foi a contratação dos funcionários que atuam no HMC. Depois de resolvida a pendência com o TCE, foi realizado um processo seletivo, que demorou para chamar os aprovados. Da contratação imediata, são 1.764 vagas, no entanto, mais profissionais ainda serão contratados conforme a demanda.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Levando em consideração as condições sanitárias do país, você optaria por:

Parcial

Edição digital

Domingo, 29/03/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 19,80 -2,46%

Algodão R$ 95,84 0,56%

Boi a Vista R$ 131,39 -0,84%

Soja Disponível R$ 68,00 -1,23%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.