Publicidade

Cuiabá, Sábado 19/09/2020

Cidades - A | + A

Deu em A Gazeta 25.12.2019 | 15h30

Consumidores reclamam dos preços e custo de produtos na véspera do Natal

Facebook Print google plus

Divulgação Internet

Divulgação Internet

Os cuiabanos deixaram as compras da ceia para a última hora. Nesta véspera de Natal (24), carros formaram filas na entrada dos supermercados e da feira do Porto, em Cuiabá. Dentro da do tradicional mercado, os consumidores disputavam espaço nas bancas para escolher os melhores produtos. Entre eles foi unânime a constatação de que o Natal está mais caro este ano, com aumento de 100% nos preços de alguns alimentos típicos desta época, como aves e verduras.

 

Na Feira, as bancas abriram às 5h com bastante movimento desde o 1º horário, que se intensificou ao longo do dia. O feirante Leandro Garcia, que comercializa frutas, ofereceu café da manhã e frutas para degustação dos clientes, que se aglomeravam em torno da banca em busca de boas opções. Uva, abacaxi e melancia foram as mais vendias na data e ele almejava crescimento de até 70% nas vendas. “Trabalhamos esperando Natal e Ano Novo, nosso melhor período”.

 

O chefe de cozinha Waldemar Untar, 40, foi às compras por volta das 8h para complementar as 40 ceias que vendeu este ano. Neste Natal, as vendas cresceram 10% em relação a 2018. “Todo mundo que comprou em 2018 comprou de novo este ano e o boca a boca trouxe novos clientes. Estamos sem dormir para terminar todas as ceias. Só faltavam as frutas para finalizar tudo”. Relata que apenas a carne teve preço acima do esperado.

 

Em uma banca de verduras, o feirante Wagner dos Santos disse que as vendas estão 20% menores. O aumento de preços de alguns itens e a reforma da feira afugentaram os clientes. “As verduras subiram muito no fim do ano. Estava tendo muita chuva nas regiões produtoras e isso elevou os preços. Infelizmente temos que repassar”. Tomate, cebola e banana-da-terra foram os que mais encareceram, até 140% no atacado. Para o consumidor, os aumentos pesaram. O quilo da banana-da-terra subiu de R$ 4 para R$ 9 (125%), a cebola de R$ 3 para R$ 5 (66%) e o tomate foi de R$ 4 para R$ 7 (75%).

 

O pecuarista José Muniz, 72, foi às compras em açougue, supermercado e na feira nesta véspera de Natal. Levou frutas e verduras para a ceia, que segundo ele estão mais caras. “Tem um pouco de tudo. Gastamos bastante, vou fazer a soma em casa. No açougue e no mercado está pior. A ceia com certeza vai sair mais cara”. Com a alta de preços da carne bovina, o peixe se tornou uma opção bem aceita pelos consumidores no Natal. O feirante Sebastião da Silva relata que o movimento na feira caiu um pouco em relação ao ano anterior, mas na banca as vendas cresceram cerca de 20%. “Desde domingo está bem movimentado. A maioria dos brasileiros deixa para a última hora. Eu mesmo ainda não fiz a minha compra e vou deixar para mais tarde”. Pacu e pintado são os preferidos e os preços vão de R$ 15 e R$ 25, respectivamente.

 

Nos supermercados, que abriram às 7h, as filas de veículos também chegavam até as avenidas nesta terçafeira. Na rede Comper, a gerente de operações Izilda Maria da Silva, diz que o movimento cresceu desde domingo, sendo que o dia 24 é o mais movimentado. “Nesse período vendemos muito aves, panetones e cestas básicas, que é uma coisa interessante, porque as pessoas ficam mais solidárias e compram para doações”. A marca espera alta de até 8% nas vendas de fim de ano. A artesã Regiane Lucleicy, 52, antecipou as compras de Natal e foi ao supermercado na véspera apenas para comprar um chester. “Nessa época fica muito lotado e não tem como estacionar. É complicado. Fiz as compras já tem uns 15 dias. Mas só agora decidimos comprar o chester. Mas, este ano está tudo mais caro, desde carnes a verduras”.

 

Leia mais notícias de Economia no Jornal A Gazeta.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Denúncias de mulheres contra agressores demoram vir à tona por conta de posição social?

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 18/09/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 22,95 0,88%

Algodão R$ 91,49 -0,33%

Boi a Vista R$ 130,34 0,30%

Soja Disponível R$ 64,80 0,15%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.