Publicidade

Cuiabá, Quinta-feira 06/08/2020

Cidades - A | + A

CONTRATO VENCIDO 09.06.2020 | 15h27

De 1,5 mil exames diários, Lacen reduz para apenas 400

Facebook Print google plus

Governo de SP

Governo de SP

Por conta de divergência contratual entre o Ministério da Saúde e a empresa empresa Abbott, a capacidade de análise do Laboratório Central do Estado (Lacem-MT) foi reduzida para menos de um terço nos últimos dias. O secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, afirma que no auge de funcionamento dos equipamentos, era possível analisar 1,5 mil amostras em 24 horas, agora é viável apenas 400.


Leia também - Santa Casa e Metropolitano já estão em colapso, diz secretário de Saúde

 

O problema ocorre porque a empresa Abbot teve o contrato encerrado com o Ministério da Saúde e o convênio não foi renovado. Ela é responsável pelo fornecimento de equipamentos e insumos para os Lacem de todos os estados e interrompeu o serviço com o fim da relação contratual.


“Os equipamento que existem dentro desses laboratórios são contrato, comodato com empresas detentoras desses equipamentos e provedoras dos insumos para os equipamentos funcionarem. Esses equipamentos faziam outros testes antes da pandemia e foram configurados para exames de covid-19. Sem o contrato, a empresa desabilitou os equipamentos, com senha, de forma remota”, contou o secretário.


Ele explica que o Estado tenta negociar com a empresa, mas para ela não é interessante fechar apenas com as secretaria, já que pode fazer com o Ministério e atender todos os estados.


“Espero que nas próximas horas o Ministério tome uma decisão mais prudente sobre esse assunto. Estamos deliberando para comprar esses equipamentos e ampliar a capacidade do Lacem. No início dessa pandemia, a capacidade do Lacem para exames PCR para identificar covid era de 40 a cada 24 horas. Chegamos a capacidade de 1500 testes, quando reformulamos a plataforma, compramos mais máquinas e contratamos mais pessoal . Com esse litigio entre o Ministério e a empresa Abootti voltamos à capacidade de 400 testes a cada 24 horas”, declarou.


O desentendimento para um novo contrato tem gerado demora na entrega dos resultados, pois o prazo para resolução se tornou mais longo devido a baixa capacidade, num momento em que a demanda pelo exame aumenta exponencialmente. Há exames que demoram até 72 horas para apontar o resultado.


A dificuldade para oferecer resultado é também na rede privada, nos laboratórios credenciados que enfrenta a falta de material para realizar os exames PCR.


Até a tarde de segunda-feira (8), a Secretaria Estadual de Saúde (SES) notificou 4.243 casos confirmados da covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 126 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado. Em 24 horas, surgiram 214 novas confirmações da doença. Na manhã desta terça-feira foram registradas mais duas mortes, totalizando 128.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Após a reabertura dos shoppings, você voltou a frequentar como antes da pandemia?

Parcial

Edição digital

Quinta-feira, 06/08/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 20,45 -3,31%

Algodão R$ 94,97 -0,47%

Boi a Vista R$ 135,00 0,23%

Soja Disponível R$ 67,00 -0,45%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.