Publicidade

Cuiabá, Domingo 25/10/2020

Cidades - A | + A

30,5 mil focos 25.09.2020 | 10h05

Em dois anos, MT quase triplica registro de queimadas no período proibitivo

Facebook Print google plus

Tomio Uemura

Tomio Uemura

Mesmo com o prolongamento do período de proibição das queimadas, Mato Grosso registrou segunda alta consecutiva em índices de queimadas no estado neste ano. Entre julho e o dia 20 de setembro, foram 30,5 mil focos de calor distribuídos nos três biomas abarcados pelo estado, um aumento de 45% dos pontos de calor detectados entre julho e todo o mês de setembro de 2019, com 21 mil focos. No mesmo período de 2018, foram registrados 11 mil focos.

 

Apenas nos primeiros 20 dias de setembro deste ano, houve um aumento de 65% em comparação com todo o mês de setembro do ano passado.

 

Os dados são do Monitor de Queimadas do Instituto Centro de Vida (ICV), ferramenta interativa que utiliza informações disponibilizadas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

 

Leia também - Focos de incêndio reduzem 80% no Pantanal em cinco dias

 

Todo ano, a prática é proibida durante a época de estiagem, quando a vegetação está mais vulnerável aos incêndios florestais. Neste ano, a Secretaria de Meio Ambiente (Sema/MT) antecipou em 15 dias o início do período de proibição: a medida entrou em vigor no dia 1º de julho e segue até o dia 30 de setembro. Isso, porém, não surtiu efeitos significativos no controle dos incêndios.

 

No estado inteiro, os imóveis registrados no Cadastro Ambiental Rural (CAR) concentram a maior parte dos focos de calor, com 51% do total (15.440), seguidos das áreas não cadastradas com 26% (8.037) e das terras indígenas com 17% (5.080).

A maior parte dos focos no período ocorreu na Amazônia, com 11.676 focos (38,22%), seguida do Pantanal com 9.983 focos (32,51%) e do Cerrado com 8.943 focos (29,27%).

 

Dos biomas, o Pantanal segue sendo proporcionalmente o mais afetado. Enquanto setembro inteiro de 2019 registrou 800 focos de calor, nos primeiros 20 dias de setembro o bioma em Mato Grosso contabilizou mais de 5 mil focos de calor.

 

Os índices mostram que o estado sofreu a maior parte das queimadas na área brasileira do Pantanal, que abrange Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. De um total de 15.963 focos de calor de janeiro ao dia 20 de setembro no Pantanal brasileiro, 66% (10.481 mil) ocorreram em Mato Grosso e 34% (5.482 mil) em Mato Grosso do Sul.

 

Impacto dos incêndios no Pantanal

Na porção mato-grossense do Pantanal, o fogo atingiu cerca de 1,7 milhão de hectares em 2020. A área equivale a quase um terço do bioma no Estado.

 

Os dados são do período de janeiro até o dia 17 de setembro e são resultado de análise técnica realizada pelo Instituto Centro de Vida (ICV) com base em dados da Global Emissions Fires Database, da Nasa.

 

Um dos fatores que levaram à situação atual foi a seca severa no bioma, que fez com que o rio Paraguai atingisse o nível mais baixo desde os anos 1960.

 

A condição está diretamente relacionada aos altos níveis de desmatamento na Amazônia. É o que explica Vinícius Silgueiro, coordenador do Núcleo de Inteligência Territorial do ICV.

 

“Estudos apontam que, com a aceleração do desmatamento da Amazônia, o período de chuvas tem encurtado e as secas se tornaram mais severas nas regiões central e sudeste do país”, afirma o engenheiro florestal. “O desmatamento afeta o fenômeno conhecido como rios voadores, no qual a umidade da floresta origina uma grande coluna de água, transportada pela América do Sul.”

 

Dos estados da Amazônia Legal, Mato Grosso também figura como segundo que mais desmata a floresta amazônica em território brasileiro. Entre agosto de 2019 e julho de 2020, foram registrados 1.880 km² de áreas com alertas de desmatamento no estado, uma área maior que o município de São Paulo.

 

Em geral, o uso do fogo está relacionado com a limpeza dos terrenos para pastagem após o corte raso da vegetação ou para renovação da pastagem. Com a seca, o fogo nas áreas onde foi utilizado para fins agropecuários fugiu de controle e os incêndios tomaram grandes proporções.

 

Uma nota técnica do ICV mostrou que nove pontos de calor nos primeiros 50 dias do período proibitivo foram responsáveis por atingir cerca de 324 mil hectares no Pantanal. Destes, cinco ocorreram em imóveis rurais cadastrados no Cadastro Ambiental Rural (CAR).

 

Em Mato Grosso, o bioma Pantanal tem 72% de sua área ocupada pelos 3.260 mil imóveis privados inscritos no CAR, dos quais 13% contam com área acima de 1.500 hectares. “Dado interessante é que, dessas grandes, existem 32 que tem área acima de 20 mil hectares e que sozinhas ocupam 32% do Pantanal. Todas essas fazendas têm a criação extensiva de gado como principal atividade”, afirma Vinícius.

 

Uma causa apontada pelo especialista para o descontrole no número das queimadas neste ano é a sensação de impunidade de quem faz uso do fogo de maneira ilegal.

 

A prática é proibida durante a época de estiagem, quando a vegetação está mais vulnerável e eleva os riscos de incêndios florestais, e é punida pela Lei de Crimes Ambientais (9.605/98) que prevê pena de um a quatro anos de reclusão.

 

De 1º de janeiro até o dia 14 de setembro, as multas aplicadas pelo Ibama por infrações relacionadas à vegetação – como desmatamento e queimadas ilegais – caíram 22% em 2020 em relação ao mesmo período do ano anterior. Em Mato Grosso, foram registradas 173 autuações relacionadas à vegetação neste ano, uma redução de 52% em relação ao mesmo período de 2019, com 361. O levantamento foi realizado pela BBC News.

 

Áreas protegidas sob risco no bioma

O impacto do fogo no Pantanal em Mato Grosso foi sem precedentes nas Terras Indígenas (TIs) e Unidades de Conservação (UCs) em 2020.

 

Os dados mostram que, de janeiro a 20 de setembro, foram detectados 293 focos de calor em terras indígenas no Pantanal. Os números representam um aumento significativo para as TIs no bioma: em 2019, a categoria somou nove ocorrências de janeiro a setembro inteiro e, em 2018, não contabilizou nenhuma.

 

Já as unidades de conservação somam 633 focos de calor na mesa área, enquanto 2019 contabilizou 19 registros.

 

Entre elas, destaca-se o Parque Estadual Encontro das Águas, o maior refúgio de onça-pintada das Américas e que teve mais de 92 mil hectares atingidos até o dia 13 de setembro, o representante a 85% da área total do parque.

 

Todos municípios atingidos pelo fogo

A análise dos dados da Nasa também aponta que os 141 municípios de Mato Grosso tiveram áreas atingidas por incêndios. Até o dia 1 de setembro, os municípios pantaneiros de Poconé, Barão de Melgaço e Cáceres respondiam por 51% do total atingido pelo fogo em todo estado.

 

No dia 17 de setembro, o percentual caiu para 30%, o que demonstra que o fogo avançou no Cerrado e na Amazônia nas últimas duas semanas.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Com abertura do comércio, bares, igrejas e retomada de festas, você já retomou à rotina?

Parcial

Edição digital

Domingo, 25/10/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 61,00 2,52%

Algodão R$ 125,19 1,55%

Boi à vista R$ 242,24 0,00%

Soja Disponível R$ 161,50 0,31%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.