Publicidade

Cuiabá, Terça-feira 15/10/2019

Cidades - A | + A

DOENÇA AUTOIMUNE 17.09.2019 | 07h00

Estudantes de medicina fazem vaquinha para ajudar no tratamento de colega

Facebook Print google plus

Reprodução

Reprodução

Amigos e colegas de curso da estudante de medicina Brunna Silva Almeida, 23, criaram uma plataforma on-line para ajudar nos custos do tratamento contra a neuromielite óptica. A jovem foi diagnosticada com a doença, que causa perda de sensibilidade e motricidade das pernas e compromete a visão.

 

Segundo narra sua colega de curso, Ana Clara, o histórico de doenças de Brunna não começou com a neuromielite óptica. No semestre passado, a estudante começou a apresentar hematomas no corpo inteiro, sem relação com traumas ou batida.

 

Leia também - Campo Verde abre 100 inscrições para cursos de informática

 

Ela então foi ao médico, mas não saiu de lá tão cedo. Brunna ficou internada por duas semanas. “Ela apresentou um quadro de plaquetopenia, que é a diminuição de plaquetas. Foi pra 20 mil na época, e o mínimo que uma pessoa pode ter pra ser saudável é 150 mil. Nesse quadro junto, de plaquetopenia com os hematomas que ela apresentou, ela foi diagnosticada com purpura, uma doença autoimune”, explica Ana Clara.

 

Brunna então começou a fazer tratamento com corticoides e o número de plaquetas dela subiu. Entretanto, há duas semanas, ela foi para o estágio e se queixou de dores na região do peito para os colegas. Novamente, a estudante foi aconselhada a voltar para o médico.

 

Ao ser atendida no Hospital Jardim Cuiabá, ela foi internada com suspeita de infecção urinária. No meio da noite, Brunna começou a sentir uma forte pressão no corpo, além de perder a sensibilidade e movimento dos membros inferiores.

 

“Ela foi diagnosticada com neuromielite óptica, que também é uma doença autoimune. Por isso falei que a doença dela não começa agora, por ser dois quadros de doenças autoimunes. E ela não vai voltar imediatamente a ter a sensibilidade e movimento dos membros inferiores”, disse.

 

O tratamento desta vez é mais caro e fora do orçamento de Brunna. De acordo com Ana Clara, a medicação tem um custo mensal de R$ 1.600, além de outros materiais, como cadeira de rodas e banho, fraldas geriátricas e consultdas.
Além disso, Brunna tem uma situação econômica complicada – o pai dela inclusive tem Alzheimer - e sempre estudou em cursinhos particulares por meio de bolsas. Atualmente, ela utiliza o Financiamento Estudantil (Fies) para pagar o curso de Medicina.

 

“Vendo a dificuldade que ela iria enfrentar a partir de quando ela teve a alta, nós da faculdade e amigos dela do cursinho resolvemos fazer essa vaquinha. E não só a vaquinha, a gente pretende contatar os cursinhos dos quais ela fez parte, montar um ‘aulão’ pro Enem e pegar todo esse lucro que a gente tiver e converter pro tratamento dela”, detalha a colega.

 

Para ajudar na vaquinha, que se encera em dezembro deste ano, acesse o link aqui.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Ter um diploma leva a uma maior remuneração?

Parcial

Edição digital

Terça-feira, 15/10/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21,60 0,23%

Algodão R$ 89,96 -0,33%

Boi a Vista R$ 134,82 -0,13%

Soja Disponível R$ 71,50 -0,69%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.