Publicidade

Cuiabá, Sábado 07/12/2019

Cidades - A | + A

ANGÚSTIA 17.11.2019 | 07h30

‘No fundo eu queria viver’, relata mulher que tentou suicídio

Facebook Print google plus

Otmar de Oliveira

Otmar de Oliveira

Carina* tem 25 anos, ensino superior, emprego estável, uma vida relativamente tranquila. No entanto, a relativa tranquilidade era só aparência. Por dentro, ela não sentia vontade de viver e tentou tirar a própria vida. Ela não conseguiu, mas, por ano, cerca de 200 pessoas cometem suicídio em Mato Grosso.

 

A vida de Carina mudou depois desse episódio. Ela foi internada, precisou de acompanhamento psicológico e psiquiátrico. Com o tempo conseguiu mudar de vida e voltar a ver o lado bom das coisas.

 

O caso de Carina não é isolado. Para se ter uma ideia, em 2018 foram registrados em Mato Grosso 745 casos de pessoas que atentaram contra a própria vida ou provocaram lesões graves com automutilação. No entanto, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) existe uma subnotificação do tema, pois grande parte das vítimas não procura atendimento médico.

 

Leia também - Alimento de astronautas da Nasa, spirulina é cultivada em Mato Grosso

 

Dados da Secretaria de Estado de Saúde mostram que em Mato Grosso a maioria das tentativas, 61,4% são feitas por mulheres. Mesmo assim, em 78,3% dos casos de morte por suicídio, as vítimas são do sexo masculino.

 

"Eu comecei a perder o encanto com as coisas. Nada parecia estar bom. Dinheiro, festas, bebida, nada me deixava bem. Só queria sumir, dormir e não acordar. Parecia que ninguém se importava comigo, que não sentiriam a minha falta se eu morresse", relembra Carina.

Otmar de Oliveira

Suicídio

 

 

No momento mais crítico de sua doença - ela foi diagnostica depois com síndrome do pânico e transtorno de ansiedade - tentou acabar com a própria vida. Mas se arrependeu após tomar medicamentos.

 

"Eu procurei o médico, contei tudo. Apesar de querer morrer, quando comecei a passar mal me deu um pânico. No fundo eu queria viver, só não queria mais viver naquela tristeza profunda", lembra ela.

 

Além de ser mulher, Carina também está na faixa etária com maior mortalidade de suicídio em Mato Grosso, dos 20 aos 29 anos. Pessoas solteiras ou sem relacionamento estável, assim como ela, também são 72,8% das vítimas desse tipo de morte.

Mesmo com algumas características mais expressivas, o suicídio pode acontecer com quem menos se espera. Uma pessoa jovem, alguém com dinheiro ou até mesmo quem aparentar estar sempre feliz.

 

"Tinha gente que não sabia que eu estava mal. Porque eu me fechava para todo mundo, até os meus amigos. Quando tentei me matar vieram me perguntar por que não pedi ajuda. Mas eu não sabia como e algo na minha cabeça me dizia que ninguém iria ouvir", afirma Carina.

 

Para superar o período difícil, ela escutou os médicos e iniciou um tratamento com remédios e terapia. Aos poucos começou a melhorar e mesmo não estando "100%", já consegue lidar melhor com os problemas.

 

"Não sou sempre feliz. Tenho dias péssimos, mas hoje consigo ver que eles vão passar. A gente não vê saída, não vê ajuda, só enxerga a rejeição. Mas vale a pena procurar ajuda, eu sou a prova disso. Fazer o tratamento mudou completamente a minha vida", comemora.

 

Otmar de Oliveira

Suicídio

 

CVV

O Centro de Valorização da Vida (CVV) realiza um trabalho de apoio emocional e prevenção ao suicídio, atendendo  gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar - sob total sigilo - por telefone, email, chat e Skype 24 horas todos os dias.

 

A pessoa pode conversar com um voluntário do CVV ligando 188. Em Cuiabá há também a opção pelo telefone (65) 3321-4111. Os dois canais funcionam 24 horas. 

 

*O nome foi alterado para preservar a identidade da vítima.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

cidão - 17/11/2019

infelizmente só ouvir não é o melhor remedio,existe momento que é preciso tratamento espiritual que esta dentro de nós,um exemplo pratique yoga,meditação.interagir com a natureza,frequentar mais igreja,fazer trabalhos voluntarios e ver que existe pessoas pior que voçe,pois fazer o bem sem olhar aquem deixa a pessoa muito grata pela vida.

1 comentários

1 de 1

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

Enquete

Racismo, fake news e ganância são alguns dos sambas-enredo deste ano. O Carnaval deve ser politizado?

Parcial

Edição digital

Sábado, 07/12/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 24,60 1,44%

Algodão R$ 94,26 -0,50%

Boi a Vista R$ 129,88 -0,69%

Soja Disponível R$ 64,70 0,15%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.