Publicidade

Cuiabá, Terça-feira 07/04/2020

Cidades - A | + A

eco resort 09.02.2020 | 07h15

Reforma do Parque Águas Quentes custará R$ 17 milhões a investidores

Facebook Print google plus

Divulgação

Divulgação

A revitalização do Parque Águas Quentes irá custar R$ 17,1 milhões a quem vencer a concessão. O projeto irá mudar o local, que há mais de 20 anos estava com o mesmo concessionário, para transformar em um eco resort, com foco nas águas termais.

 

Segundo o projeto, que foi realizado por uma empresa que ganhou a licitação, o concessionário terá que investir R$ 17,1 milhões e terá como retorno cerca de R$ 13 milhões por ano. O local será concedido à iniciativa privada por 30 anos e as primeiras obras devem ser feitas em até dois anos.

 

Leia também - Denatran prorroga prazo para MT se adequar à placa padrão Mercosul

 

"Hoje o equipamento é conhecido pelo hotel e não se aproveita o potencial do parque. A ideia é reposicionar, valorizar o fato de estar dentro do parque, com uma pegada de ecoturismo, para que, de fato, seja um diferencial", explica o o arquiteto e coordenador técnico que coordenou o estudos, Pedro Lima.

 

A área tem 1.487 hectares, fica próximo à BR-163, a cerca de 1h30 de Cuiabá. A reserva termal foi criada em 1938 e poucos anos depois foi construído o empreendimento turístico, inaugurado em 1944.

 

Para essa transformação, o espaço terá uma "cara" de spa e resort de luxo, com águas termais e espaço para relaxamento e não só para banho. "Será construído um centro de bem-estar, com spa, yoga e outras atividades relaxantes", explica o arquiteto.

 

A estrada que hoje passa por dentro do hotel será desviada para aumentar a privacidade. Serão também construídas estruturas para a realizada de arvorismo, tirolesa e trilhas em meio à mata, o que irá agregar valor à estadia e também atrair novos clientes.

 

"Existe um enorme potencial e fizemos uma proposta de itens que serão obrigatórios e terão que ser feitos desde o primeiro ano de concessão. É um modelo de negócio com benefícios interessantes não só para os turistas, mas também para os moradores da região", analisa Pedro.

 

Apesar do projeto ainda não há uma data para a definição da nova concessão. No entanto, a expectativa é que a nova empresa possa assumir o local até o segundo semestre de 2020.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

A cloroquina está liberada para o tratamento dos pacientes do coronavírus no Brasil, mas a polêmica continua

Parcial

Edição digital

Terça-feira, 07/04/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 20,45 -0,73%

Algodão R$ 91,93 0,24%

Boi a Vista R$ 134,90 0,00%

Soja Disponível R$ 67,70 0,15%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.