Publicidade

Cuiabá, Sexta-feira 10/04/2020

Economia - A | + A

home office 22.03.2020 | 14h12

Coronavírus muda rotina de trabalho das empresas

Facebook Print google plus
R7 Notícias

Valter Campanato/Agência Brasil

Valter Campanato/Agência Brasil

O avanço da pandemia de coronavírus no Brasil e a recomendação do Ministério da Saúde para evitar a disseminação da doença no território nacional fez com que diversas empresas mudassem suas filosofias para manter seus funcionários distantes do vírus.

 

As principais mudanças nos ambientes de trabalho levaram em conta a redução do contato social. A orientação fez com que muitos patrões adotassem o home office e extinguissem as reuniões presenciais.

 

 

Conhecido pela tradição de privilegiar o contado ao vivo, o BNI (Business Network Internacional) precisou apostar em um novo modelo de negócio para driblar a pandemia e manter a dinâmica de trabalho com uma ferramenta virtual.

"Apenas o mecanismo mudou. Quando for a hora certa, podemos voltar às reuniões presenciais. Mas voltaremos com uma poderosa consciência do que é possível para nós no futuro", afirma Ivan Misner, fundador do BNI.


Na Partwork Associados, a opção dos diretores para preservar a saúde dos profissionais foi o home office. O CEO da empresa, Maurício de Luca, explica que a medida permanecerá até a redução da periculosidade de contágio pelo coronavírus.

 

"Como todos os nossos dados já ficam no servidor por conta da Lei Geral de Proteção de Dados, então é fácil promover essa mudança. Em dois dias conseguimos que todos funcionários trabalhassem de casa", comemora ele, que já avalia a possibilidade de contratar terceirizados para suprir a demanda que pode surgir em função da entrega das declarações de Imposto de Renda.

 

 

O presidente da Asap (Aliança para a Saúde Populacional), Ricardo Ramos, avalia que as dinâmicas dentro das empresas estão se alterando a cada dia, conforme a evolução das medidas de restrição pelo coronavírus. "Observo um aumento da atividade de reuniões à distância como nunca antes e as pessoas estão se adaptando", afirma.

 

Para Ramos, a indústria é o setor mais prejudicado até o momento por não ter alternativas viáveis para manter a produção e evitar o desabastecimento. "O home office para os profissionais de serviços e o fechamento do comércio é obvio, mas a indústria tem alguns desafios importantes", afirma o administrador.

 

No setor automotivo, as montadoras de veículos já se preparam para fechar as portas nos próximos dias, segundo a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), entidade que reúne as principais fabricantes de veículos do Brasil

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

A cloroquina está liberada para o tratamento dos pacientes do coronavírus no Brasil, mas a polêmica continua

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 10/04/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 20,15 -0,25%

Algodão R$ 93,71 -0,76%

Boi a Vista R$ 135,42 -0,18%

Soja Disponível R$ 75,70 0,00%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.