Publicidade

Cuiabá, Terça-feira 14/07/2020

Esporte - A | + A

partidas femininas 30.06.2020 | 18h01

Após trauma com Glenda, Globo se prepara para ter narradora oficial

Facebook Print google plus

Reprodução Globo

Reprodução Globo

"A coisa foi reverberando, fui vendo os meus 27 anos de dedicação ao Esporte jogados fora, indo pro lixo.

 

"Eu não tinha coragem de andar no corredor, aquilo me tomou de um jeito que eu andava curvada, só chorava."

 

"Eu me preparei muito para essa Olimpíada. Ninguém sabia mais sobre ginástica artística do que eu. Eu conhecia os atletas, sabia a história, o nome de todo mundo, passei seis meses antes, eu sabia tudo."

 

"E falei eu não vou passar por isso."

 

Leia também - Com a Rede Globo derrotada na Justiça, Flamengo fica perto de vitória histórica

 

"Eu saí."

 

Esses foram alguns dos desabafos de Glenda Kozlowski.

 

A apresentadora, repórter, ainda não digeriu as inúmeras críticas por ter sido colocada como narradora da ginástica olímpica, pela Globo, nos Jogos do Rio de Janeiro, em 2016.

 

Ela jamais superou a rejeição do público.

 

Se viu em uma armadilha, porque nunca quis narrar.

 

Mas não teve como escapar da ideia do alto comando da Globo, que queria uma mulher narrando, de qualquer jeito.

 

Mal orientada, nervosa, ela conseguiu gritar mais do que o Galvão Bueno.

 

E as redes sociais não perdoaram.

 

A Globo voltou a tentar fazer de Glenda narradora da Copa do Mundo de Futebol Feminino, no ano passado.

 

Seria histórico.

 

Uma equipe só de mulheres.

 

A comentarista foi Ana Thaís Matos.

 

A repórter, Carol Barcellos.

 

Faltou a narradora.


Glenda não aceitou.

 

De forma firme, se posicionou.

 

Mesmo sabendo que poderia ter consequências.

 

"Eu não quero fazer futebol, não quero. Falei que não quero porque não é o meu negócio", confessou, na recusa.

 

Os telespectadores tiveram de suportar Galvão Bueno narrando a Copa do Mundo feminina.

 

Enquanto isso, Glenda perdeu definitivamente espaço na Globo.

 

Passou para o Sportv.

 

E acabou saindo da emissora.

 

Glenda já encaminha um novo emprego, ser apresentadora na FlaTV, com a camisa do clube rubro negro e tudo.

 

E a Globo, depois de quatro anos, superou o trauma.

 

Decidiu ter uma narradora de futebol.

 

Está na fase final de inúmeros testes, laboratório.

 

Tem até candidata aprovada.

 

O planejamento é que a primeira narradora de futebol do grupo Globo comece no Sportv. Ganhe experiência e depois passe para a TV aberta.

 

O quadro otimista é colocar narradora, comentarista e repórter mulheres na cobertura da seleção brasileira feminina na Olimpíada de Tóquio.

 

O mais pessimista, na Copa do Mundo Feminina de 2023.

 

Demorou, mas passou o trauma Glenda Kozlowski...

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Você acredita na eficácia das barreiras sanitárias implantadas em Cuiabá?

Parcial

Edição digital

Terça-feira, 14/07/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21,50 2,38%

Algodão R$ 91,29 -0,23%

Boi a Vista R$ 134,82 -0,13%

Soja Disponível R$ 67,45 -0,81%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.