Publicidade

Cuiabá, Domingo 20/10/2019

Esporte - A | + A

sexta edição 04.10.2019 | 17h09

Atletas de 16 nacionalidades disputam Copa dos Refugiados em São Paulo

Facebook Print google plus

Divulgação

Divulgação

Mais de 200 atletas de 16 nacionalidades vão participar da Copa dos Refugiados e Imigrantes, a partir de amanhã (5), em São Paulo. O tema da copa deste ano, que já está em sua sexta edição, é Reserve Um Minuto para Ouvir Uma Pessoa que Deixou o Seu País. O evento foi criado e é organizado pela ONG África do Coração, com apoio da Agência da ONU para Refugiados (Acnur) e da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

 

Leia também - Beneficiários do Bolsa Família são obrigados a fazer acompanhamento

 

Os atletas, pessoas em situação de refúgio ou imigrantes, são de Guiné-Bissau, Tanzânia, Líbano, Mali, Venezuela, Camarões, Coreia do Sul, República Democrática do Congo, Togo, Colômbia, Haiti, Gâmbia, Angola, Nigéria, Níger e Benin.

 

Neste ano, a Copa dos Refugiados aconteceu também em Brasília (DF), Curitiba (PR), Recife (PE), Porto Alegre (RS) e Rio de Janeiro (RJ). Ao todo, a edição de 2019 da competição envolverá aproximadamente 1.120 atletas de 39 nacionalidades. Depois da etapa da copa em São Paulo, a equipe campeã em cada estado irá se enfrentar em um torneio no Rio de Janeiro.

Segundo Abdo JA Rour, da ONG África do Coração, a intenção é que este evento adquira também, no futuro, um caráter internacional, reunindo refugiados e imigrantes de todo o mundo.

 

“A copa é pela integração dos refugiados na sociedade brasileira, principalmente em São Paulo, que é um estado que acolhe e que tem muita diversidade cultural”, disse Braima Mane, coordenador da Copa dos Refugiados, em São Paulo, em entrevista à Agência Brasil. “Criamos a Copa para a integração, a harmonia e para ajudar a passar a imagem dos refugiados de outra forma, sabendo que o futebol é o maior meio de inclusão social”, acrescentou.

 

De acordo com ele, a Copa dos Refugiados tenta também dar oportunidade para “aquelas pessoas que tiveram o sonho de ser jogador nos seus países de origem cortado por causa da guerra, perseguição racial ou outros motivos”.

 

Esse é o caso, por exemplo, do atleta Abdoulaye Traore, 19 anos, do Mali. “Estou atrás de um sonho que tenho desde criança, que é ser jogador de futebol. Vim aqui [para o Brasil] para tentar, para ver se dá certo. Essa Copa pode ser uma oportunidade e vou tentar aproveitar isso. A gente espera ser campeão e que tudo dê certo”.

 

Já Yacouba Condé, 20 anos, de Guiné-Conacri, vai participar do evento deste ano defendendo a Gâmbia. Ele joga a competição pela segunda vez. Condé chegou ao Brasil há dois anos e meio depois que seu pai foi perseguido politicamente em seu país de origem.

 

“É um evento que junta refugiados africanos e que, por um tempo, me faz me sentir em casa, jogando com meus amigos e meus irmãos. Se não fosse por esse evento, seria muito difícil esse encontro. A sociedade brasileira não deu muita oportunidade para a gente mostrar nosso talento no campeonato brasileiro, então esta é uma oportunidade para a gente”, disse.

 

Neste sábado (5), serão realizados oito jogos, a partir das 9h, na Rua Pedro de Toledo 1.651, na Vila Clementino, em esquema mata-mata: quem perde, sai da competição. A quarta-de-final da competição será realizada no domingo (6). Já a semifinal acontece no dia 13. A grande final acontece no Estádio do Pacaembu, no domingo (20), às 14h. A entrada é gratuita.

 

Além dos jogos marcados para amanhã, o público poderá também, no domingo (6), visitar uma feira cultural, com música, dança, roda de conversa, exposição de produtos e comidas típicas.

 

Na abertura do evento, que aconteceu na tarde de hoje no Museu do Futebol, o secretário municipal de Esportes e Lazer de São Paulo, Carlos Bezerra Jr, disse esperar que a copa traga visibilidade para os refugiados e migrantes. “Espero que ela dê visibilidade àqueles que se sintam invisíveis. Que ela una os que se sentem sozinhos. Que ela traga alegria quando bater a saudade e a melancolia da falta da casa. Que ela nos mostre e confirme que o esporte é mais do que competição e do que a prática esportiva. O esporte unifica, inclui e transforma socialmente”, disse.

 
Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

GD

GD

Enquete

Qual será o resultado das discussões sobre fake news no Congresso Nacional?

Parcial

Edição digital

Domingo, 20/10/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 23,55 0,64%

Algodão R$ 90,63 0,34%

Boi a Vista R$ 134,00 0,30%

Soja Disponível R$ 66,25 0,38%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.