Publicidade

Cuiabá, Quinta-feira 13/08/2020

Esporte - A | + A

Histórico 15.03.2020 | 08h37

Cinquenta anos do amistoso que mudou o destino da seleção brasileira de 1970

Facebook Print google plus

Domínio Público

Domínio Público

O que levou a seleção brasileira a marcar um jogo treino com o Bangu pouco antes da Copa do Mundo de 1970? Talvez a antiga amizade entre João Havelange, presidente da Confederação Brasileira de Desportos, com o patrono banguense Guilherme da Silveira Filho.

 

A seleção brasileira tinha jogado no Maracanã contra a Argentina no dia 8 de março de 1970 e vencido por 2 a 1. Seis dias depois, voltaria a campo, agora para enfrentar o Bangu, em um jogo treino em Moça Bonita. Diferentemente dos dias atuais, em que o time só entra em campo para ganhar muito dinheiro, aquela partida não teve sequer venda de ingressos.

Os funcionários da Fábrica Bangu, os sócios do clube e, obviamente, a imprensa seriam os únicos grupos com acesso ao estádio. 

 

Fontes chegam a calcular em mais de 30 mil pessoas o público presente. Exagero. Talvez tenha chegado a 20 mil. Todos os operários queriam ver a seleção, queriam ver Pelé, Rivelino, Jairzinho. O Bangu, com sua fraquíssima formação dos anos 70, era o “saco de pancadas” da vez. Como o alvirrubro iria segurar as “Feras do Saldanha” com um time sem estrelas? O próprio técnico banguense, Flávio Costa, fazia questão de dizer que o seu time iria jogar retrancado, imitando o estilo que seleções menores fariam ao enfrentar o Brasil na Copa. Não era uma competição, era somente uma festa.

Mas, quem foi ver o Brasil viu o Bangu. No primeiro tempo, quem jogou mesmo foi o time vermelho e branco. Aos 25 minutos, Aladim cobrou uma falta, com violência, na trave. No rebote, o desconhecido atacante Paulo Mata, vindo do Bonsucesso, fez 1 a 0 – seria um dos raros gols dele com a camisa do Bangu.

 

Cara de cavalo

A torcida começou a ficar impaciente com a seleção. Em dado momento, os torcedores insultaram o treinador João Saldanha com o corinho “eu grito, eu falo, o Saldanha tem cara de cavalo”.

 

Flávio Costa percebeu que não só a torcida, mas também os altos dirigentes da CBD iriam se aproveitar do mau resultado para “fritar” Saldanha. Para facilitar ainda mais as coisas para a seleção, o Bangu voltou com nove reservas no segundo tempo.

 

Dos titulares, só o zagueiro Serjão e o lateral-esquerdo Bauer continuavam em campo. Jogadores tarimbados como Luís Alberto, Mário e Aladim foram para o banco, assistir à provável virada do Brasil.

 

Virada que não veio, apesar de algumas alterações de João Saldanha: Zé Maria no lugar de Carlos Alberto Torres, Zé Carlos na vaga de Clodoaldo e Edu no ataque, saindo Dirceu Lopes. 

 

O empate acabou surgindo, em um lance de botafoguenses: Paulo César cruzou para Jairzinho. 

O zagueiro Moraes, em sua estreia nos profissionais do Bangu, precipitadamente, acabou cortando mal, contra as redes do goleiro Devito: 1 a 1. O Brasil acabou fazendo um segundo gol com Jairzinho, mas o juiz anulou. Antes, ele fizera falta no goleiro banguense. 

 

O placar inesperado fez a multidão sair preocupada do estádio. Poucos dias antes, o Fluminense tinha vencido o mesmo Bangu, no Maracanã, por 2 a 1, sem muitos problemas. A seleção sequer conseguira jogar bem. 

 

Guinada histórica

O fim do técnico João Saldanha estava próximo. Não só pelo empate com o Bangu, mas por inúmeras divergências e brigas com membros da comissão técnica. Dois dias depois do jogo em Moça Bonita, João Havelange criticou publicamente o comando técnico da seleção. Na terça-feira à noite, Saldanha foi chamado para uma reunião na CBD. O recado era claro: “a comissão técnica estava dissolvida”, ou melhor, nem toda a comissão, apenas Saldanha. Admildo Chirol, preparador, Lídio Toledo, médico, continuariam. 

 

Na quarta-feira, também à noite, Zagalo aceita o encargo de comandar o Brasil na Copa do México, em 1970. O restante da história todo mundo já sabe. Nenhuma outra seleção conseguiu sequer um empate contra aquele timaço. O que o Bangu fez em Moça Bonita, ao segurar o Brasil, ninguém fez. Foram seis jogos e seis vitórias na Copa: Tchecosláquia (4 x 1), Inglaterra (1 x 0), Romênia (3 x 2), Peru (4 x 2), Uruguai (3 x 1) e Itália (4 x 1, na finalíssima). Éramos tricampeões, sem João Saldanha, e com Zagalo no banco.

 

O Bangu, sem querer, acabou lucrando com o empate. Dez dias depois, estava jogando dois amistosos em Aracaju. Afinal, mais gente queria ver o tal time que tinha “parado” a seleção. 

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Toda a polêmica envolvendo a morte da adolescente é por dúvida se o tiro foi acidental?

Parcial

Edição digital

Quinta-feira, 13/08/2020

imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 20,75 -0,95%

Algodão R$ 92,61 0,03%

Boi a Vista R$ 133,83 0,59%

Soja Disponível R$ 74,00 -0,67%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.