Publicidade

Cuiabá, Quarta-feira 15/07/2020

Esporte - A | + A

entenda o conflito 10.01.2020 | 15h28

Tensões políticas abalam futebol no Irã e no Iraque

Facebook Print google plus

Wikimedia Commons

Wikimedia Commons

O jornalista Alberto Helena Júnior me disse um dia que o futebol é a metáfora da guerra. Os termos em geral acabaram sendo tirados da linguagem das trincheiras. Seria uma maneira de se sublimar os ímpetos agressivos do ser humano, canalizando-o para o jargão desportivo.

 

Leia também - Fernando Miguel explica conversa entre jogadores e Alexandre Campello

 

Acontece que, nos últimos tempos, isso descambou para o exagero. As coisas se misturaram e a violência que era para ser transformada, mantendo-se dentro de um discurso até de promoção do jogo, acabou transbordando e se misturando à própria atividade.

 

Quando não surge em gestos, por meio das brigas de torcedores ou de jogadores, ela se manifesta no discurso de técnicos, jornalistas e de todo o meio, de uma maneira geral.

 

Os repetidos chavões belicosos que se inseriram no Esporte passaram não só a indicar uma falta de criatividade como a refletir algo de uma sociedade atormentada.

 

Quem faz gol é matador. O time recebeu uma blitz do adversário, ou melhor, do inimigo. O zagueiro foi detonado pelo atacante, que fuzilou o goleiro.

 

Irã e Iraque, no entanto, são exemplos de países que vivenciam na prática o que, para um mundo distante, e alienado, esconde, sob uma falsa aparência de alegoria e brincadeira, uma pulsão de morte, que mais tem servido como instrumento de descarrego de frustrações. Isso precisa ser repensado apesar de que, na prática, irá arrefecer com muito mais facilidade quando o próprio ímpeto de violência arrefecer entre as pessoas.

 

O bombardeio dos Estados Unidos que matou o comandante iraniano Qasem Soleimani e militares iraquianos, assim como as respostas iranianas a bases americanas, não interromperam diretamente o calendário do futebol iraniano, cuja Primeira Divisão está no intervalo de inverno, conforme conta o jornal Marca.

 

O campeonato está previsto para retornar no próximo dia 17. Mas o embargo contra o regime de Teerã tem afetado o futebol local de forma decisiva.

 

Quinta liga mais poderosa da Ásia, de acordo com a AFC (Confederação Asiática de Futebol), atrás apenas dos torneios nacionais da China, Japão, Arábia Saudita e Catar, o campeonato iraniano vive instabilidade, com vários profissionais estrangeiros ameaçando deixar seus clubes por falta de pagamento.

 

Foi assim com o técnico Andrea Stramaccioni, do Esteghlal, um dos maiores clubes do país. O treinador ficou sem receber por causa de falhas na operação que transferia do dinheiro iraniano para os Emirados Árabes e, de lá, para bancos estrangeiros. 

 

O Marca contou também que o belga Marc Wilmots, técnico da seleção iraniana, assim como Stramaccioni, podem deixar o cargo alguns meses depois que seus bancos não receberam dinheiro iraniano corretamente.

 

Já o Iraque, que vive uma situação de conflito entre grupos e manifestações contra o governo, interrompeu o campeonato no fim do ano passado. E não deve ver o futebol retornar tão cedo.

 

Em relação às seleções, ambas vêm cumprindo os compromissos até agora. O Irã vive uma boa fase, com uma safra de jogadores de nível, que chamaram a atenção nas duas últimas Copas do Mundo.

 

No próximo mês de junho, haverá um confronto entre Irã x Iraque. Calma, será no campo, pelas Eliminatórias para o próximo Mundial.

 

Para a população iraquiana, por exemplo, não ficará bem ouvir comentários de que o atacante Jahanbakhsh, que no início do ano fez um golaço pelo Brighton, enviou um míssil ao gol adversário. Há lugares no mundo em que as metáforas são dispensáveis.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Você acredita na eficácia das barreiras sanitárias implantadas em Cuiabá?

Parcial

Edição digital

Quarta-feira, 15/07/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21,95 -0,68%

Algodão R$ 92,68 -0,52%

Boi a Vista R$ 133,20 1,68%

Soja Disponível R$ 64,40 0,00%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.