Publicidade

Cuiabá, Terça-feira 19/11/2019

Judiciário - A | + A

Prejuízo de R$ 4,7 mi 22.10.2019 | 18h40

Após irregularidades em trincheira, MPE responsabiliza ex-secretário

Facebook Print google plus

Marcos Lopes

Marcos Lopes

O Ministério Público de Mato Grosso (MPE) propôs uma ação de responsabilização por improbidade administrativa contra o ex-secretário da Copa do Mundo FIFA 2014, Maurício Guimarães. A ação diz respeito à má execução da obra da trincheira do Santa Rosa, localizada na avenida Miguel Sutil.

 

A ação foi assinada pelo promotor Clovis de Almeida, na última segunda-feira (21). Após a apuração do inquérito civil, o órgão busca responsabilizar os responsáveis pela trincheira, em razão dos atrasos para a entrega e má execução da obra. O prejuízo é estimado em R$ 4.778.481,30.

 

A trincheira do Santa Rosa começou a ser construída em maio de 2012, porém a empresa vencedora da licitação, STER, rescindiu o contrato em março de 2013, ocasionando atraso na entrega. Com a proximidade da Copa do Mundo, a gestão estadual acabou dispensando o processo de licitação e contratou a empresa Camargo Campos S.A. Engenharia.

 

Entretanto, em 2014, durante fiscalização das obras, foram detectadas irregularidades que, tanto a STER e Camargo Campos, não estavam seguindo as recomendações técnicas dos projetos, inclusive usando materiais de qualidade inferior.
Ainda conforme o documento, em 29 de outubro de 2015 já havia sido encaminhado ao Ministério Público um relatório de auditória contendo informações sobre as diversas irregularidades de execução da obra.

 

Leia também - Prazo de pagamento dos bens de Silval é esticado por juiz

 

Segundo o relatório do Laboratório de Sistemas Estruturais (LSE), infiltrações, fissuras, rachaduras nos muros e falhas de moldagem eram alguns dos problemas constatados na fiscalização.

 

Após a exposição destas falhas, foi realizado um Termo de Ajustamento de Gestão (TAG) entre a empresa Camargo Campos, o Tribunal de Contas do Estado e o Ministério Público de Contas. Porém, a Camargo Campos faliu e abandonou as obras em maio de 2016.

 

O governo acabou contratando uma terceira empresa, Concremax, para dar continuidade as obras, que foram finalizadas em 2018.

 

“Além dos danos materiais causados pelos demandados, causaram danos a toda coletividade indistintamente, pois o atraso de mais de cinco anos do término da obra gerou transtornos na mobilidade urbana; causou indignação na população; descrédito no Poder Estatal, descrédito na eficiência e na lisura da Administração Pública quanto à aplicação de recursos, danos estes de natureza extrapatrimonial”, diz trecho da ação.

 

O promotor orienta então que as empresas e o ex-secretário sejam notificados a ressarcir o estado no valor de R$ 4.778.481,3, além de perder direitos políticos por 8 anos, proibição de contratar o poder público ou receber benefícios e incentivos fiscais por 5 anos.

 

Outro lado

A reportagem tentou contato com o advogado de Márcio Guimarães, mas até o fechamento dessa matéria, não obteve resposta.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

GD

GD

Enquete

O que você pretende fazer com o 13º salário?

Parcial

Edição digital

Terça-feira, 19/11/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 20,05 1,52%

Algodão R$ 90,04 -0,53%

Boi a Vista R$ 133,50 0,38%

Soja Disponível R$ 68,50 -1,23%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.