Publicidade

Cuiabá, Sábado 08/08/2020

Judiciário - A | + A

01.08.2017 | 14h51

Cabo PM que matou colega de farda é condenado a 14 anos de prisão

Facebook Print google plus

Por unanimidade, os juízes do Conselho de Justiça Permanente (um juiz de Direito e 4 juízes militares), condenaram o cabo PM Moisés Alacid de Souza Santos, por homicídio duplamente qualificado (motivo fútil e recurso que dificultou a defesa da vítima) pelo assassinato do cabo PM Nilson Rodrigues dos Santos, ocorrido em 2008, dentro do 9º Batalhão da Polícia Militar.

Reprodução

Cabo matou o colega de farda dentro do 9º Batalhão da PM, na Capital, em 2008

Santos foi condenado a 14 anos, 4 meses e 24 dias de reclusão, em regime fechado. O Conselho, por maioria dos votos (3x2), não autorizou o réu recorrer em liberdade, ou seja, ele permanecerá preso na unidade prisional de Santo Antônio de Leverger.

As cópias do processo serão encaminhadas ao Procurador-geral de Justiça, o qual decidirá sem entra ou não com uma representação junto ao Tribunal de Justiça, requerendo a perda do cargo do policial militar.

O promotor de Justiça, Allan Sidney do Ó Souza, que atuou no caso, bem como no julgamento, entendeu justa a condenação imposta pela Justiça Militar. “Embora quase 9 anos do cometimento desse bárbaro homicídio, houve a efetivação da Justiça, não só pela repercussão dos fatos e pela gravidade, uma vez que o crime ocorreu no interior do 9º Batalhão da PM, mas também porque representou um alento aos familiares da vítima, que compareceram ao julgamento na Auditoria Militar e saíram um pouco reconfortados com a responsabilização criminal do PM Moisés”.

O caso - Moisés matou o colega de farda após uma discussão que teria sido motivada por uma rixa antiga. No dia do crime, 6 de novembro de 2008, a vítima, também lotada no 9º Batalhão, tinha ido ao local para prestar depoimento de um processo administrativo. Após ser ouvido deixou a sala e foi interceptado pelo cabo Moisés, que, sem falar absolutamente nada, puxou o revólver e disparou quatro tiros contra Nilson, sendo que um deles atingiu a cabeça. Á época ele chegou a ficar preso no Cadeião de Santo Antônio de Leverger, depois acabou respondendo o processo em liberdade, sob alegação de ter problemas mentais.

Em agosto de 2011 o cabo Moisés Santos foi preso novamente em flagrante, desta vez por tentar matar a ex-esposa. Ele atropelou a vítima, com um veículo e em seguida desferiu golpes de pedra em sua cabeça, na frente dos três filhos, todos menores de idade à época dos fatos. A ex-esposa só não morreu porque os filhos conseguiram impedir.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Após a reabertura dos shoppings, você voltou a frequentar como antes da pandemia?

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 07/08/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 18,50 2,78%

Algodão R$ 92,42 1,32%

Boi a Vista R$ 137,00 0,00%

Soja Disponível R$ 68,00 -0,73%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.