Publicidade

Cuiabá, Sexta-feira 14/08/2020

Judiciário - A | + A

Deu em A Gazeta 01.08.2019 | 08h45

Defesa pede perdão judicial para coronel Zaqueu na 'Grampolândia Pantaneira'

Facebook Print google plus

A defesa do ex-comandante da Polícia Militar de Mato Grosso, coronel Zaqueu Barbosa, oficializou o pedido para que o réu obtenha os benefícios da colaboração unilateral durante o julgamento dos crimes militares praticados durante a Grampolândia Pantaneira.

 

De acordo com a juntada protocolada no dia 29 de julho, a colaboração voluntária prestada por Zaqueu, ‘somada à sua primariedade e personalidade - agente público que sempre se destacou pelo excelente trabalho perante a PMMT aponta para o caminho do perdão judicial’, diz trecho do documento assinado pelo advogado Francisco de Assis do Rêgo Monteiro Rocha Júnior.

 

A defesa ainda solicita ao juiz Marcos Faleiros, da 11ª Vara Militar, que, caso não acate o pedido de perdão judicial, o mesmo conceda ‘a concessão do benefício de redução da pena no máximo previsto no artigo 14 da supracitada lei, a saber, dois terços do total da reprimenda’, completa.

 

Zaqueu Barbosa ainda anexou os depoimentos prestados junto ao Núcleo de Ações de Competência Originária Naco Criminal. Ele buscou uma tentativa de delação premiada, que foi rejeitada pelo coordenador do Naco, Domingos Sávio, sob alegação de que os fatos não seriam novos e não acrescentaria em nada na ação penal.

 

Zaqueu Barbosa confessou que foi chamado para organizar e recrutar militares para a criação de um escritório clandestino de interceptações telefônicas para monitorar adversários políticos do ex-governador Pedro Taques (PSDB) durante a disputa eleitoral de 2014.

 

Segundo ele, Pedro Taques e Paulo Taques se reuniram várias vezes com ele para colocar em prática o esquema de arapongagem. E que Paulo Taques, a mando do ex-governador, financiou todos os custos do esquema. Em suas alegações finais, o Ministério Público Estadual (MPE) pede a condenação de Zaqueu Barbosa pelos crimes de falsificação de documento público, falsidade ideológica e realização de operação militar sem ordem superior. A condenação pode chegar até 23 anos de prisão.

 

Leia mais notícias sobre Polícia de MT na edição do Jornal A Gazeta

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Toda a polêmica envolvendo a morte da adolescente é por dúvida se o tiro foi acidental?

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 14/08/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 22,80 0,44%

Algodão R$ 89,59 -0,32%

Boi a Vista R$ 138,00 2,99%

Soja Disponível R$ 70,00 -0,71%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.