Publicidade

Cuiabá, Domingo 29/11/2020

Judiciário - A | + A

'não estava foragida' 13.11.2020 | 09h55

Desembargador revoga prisão de empresária acusada de matar irmãos em MT

Facebook Print google plus

Divulgação

Divulgação

Um mês após ter tido a prisão preventiva decretada, a empresária Mônica Marchett conseguiu a revogação da prisão preventiva junto ao Tribunal de Justiça. A decisão é do desembargador Pedro Sakamoto foi dada na quarta-feira (11).

 

Mônica é acusada de mandar matar os irmãos Brandão Araújo Filho e José Carlos Machado Araújo, em 1999 e 2000, respectivamente, por causa de uma briga por terras em Rondonópolis (212 km ao sul de Cuiabá).

 

O pedido de prisão havia sido determinado pelo juiz Wagner Plaza Machado Júnior, da 1ª Vara de Rondonópolis. O magistrado alegou que ela estava foragida há vários anos e a Justiça tentou intimá-la várias vezes sem sucesso.

 

Leia também - Justiça condena homem que planejou morte da esposa por suspeita de traição

 

Em 2013 a empresária foi denuncia pelo crime, mas não chegou a ser julgada, pois uma decisão do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) anulou a decisão que a encaminhou para júri popular, porque o desembargador responsável pelo caso teria se manifestado de maneira "parcial".

 

A defesa de Marchett argumentou que o "encarceramento preventivo é medida excepcional (...), devendo ser encarado como ultima ratio, mormente neste caso em que não há nem sequer indícios quanto à participação da paciente no crime".

 

Em sua decisão, o desembargador afirmou que como o caso havia sido encerrado em 2018, "não haveria como saber da obrigação de manter a atualização de seus endereços a fim de ser novamente citada, em ação penal reaberta após um ano". E, portanto, não estaria foragida e não há necessidade de prisão preventiva.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

cidão - 13/11/2020

esse ministerio publico não sei para que serve?

jose braga de lima - 13/11/2020

Cadeia é para pobre mesmo,meu genro está preso desde o dia 10/08/2020 acusado de tentiva de homicidio contra a ex-mulher dele em 2005,após o crime eles voltarão a morar junto e tiveram uma filha,porém o relacionamento não deu certo e ele veio embora para Cuiabá e conheceu minha e se casaram e tem um casal de filhos,por desconhecer o processo e na época do fato a ex mulher ter dito a ele que retirou e queixa na Delegacia,ele tinha um Mandado de Prisão Preventiva em seu desfavor acabou preso e por diversas vezes o Advogado tentou sua liberdade e a Justiça negou e entende que ele é um foragido da justiça,realmente não dá para entender a justiça.

José L Moraes Fh - 13/11/2020

Infelizmente deixamos cada vez mais de acreditar na justiça, a nossa justiça é cada vez mais!!!!

3 comentários

1 de 1

Edição digital

Domingo, 29/11/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 61,50 -0,81%

Algodão R$ 126,42 0,73%

Boi à vista R$ 252,95 0,03%

Soja Disponível R$ 160,00 0,63%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.