Publicidade

Cuiabá, Quarta-feira 03/06/2020

Judiciário - A | + A

divisão de receitas 18.07.2019 | 15h31

Em Cuiabá, Toffoli defende que Fex tenha decisão política

Facebook Print google plus

João Vieira

João Vieira

O ministro presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, defende que assuntos que tratem da divisão de receitas entre os Estados e União sejam resolvidas politicamente. Muitas ações, como a do repasse do Auxílio Financeiro de Fomento às Exportações (FEX) são encaminhadas ao STF e aumentam ainda mais a fila de processos analisados pela corte.

 

Leia também -Abilio Junior provoca servidores e leva tapa no rosto; veja vídeo

 

Anualmente, o governo Federal repassa aos Estados valores de recomposição por conta da não arrecadação do ICMS dos produtos in natura exportados. A isenção está prevista na Lei Kandir, porém Mato Grosso sai prejudicado pelo não recolhimento do imposto, uma vez que é um dos maiores exportadores de grãos do país.

 

Referente à isenção de 2018, Mato Grosso deveria receber cerca de R$ 500 milhões da União, porém o dinheiro ainda não foi repassado e não há previsão de pagamento.

 

Mesmo não sendo obrigatório o repasse, Estados com orçamento prejudicado pela isenção recorrem à Corte Suprema para obrigar o Executivo Federal a encaminhar o montante. O presidente do STF ressalta que o tribunal também atua nessa esfera, de sanar conflitos entre União e as federações, mas esse não é o adequado.

 

“O ideal, que eu sempre falo, como já falei com o ministro Paulo Guedes (Economia) é que essas demandas todas, não só a que envolve a Lei Kandir, mas tantos outros que envolvem conflitos entre Estado e União na divisão de receitas que isso seja resolvido politicamente, no âmbito do Executivo e do Legislativo”, ressalta.

 

Toffoli incentiva que tais divergências sejam sanadas entre o Executivo e Legislativo, para que não seja recorrido ao Supremo.

 

“O poder político é que deve assumir a resolução desses problemas. O Judiciário é algo para resolver o passado, não para decidir o futuro. É dessa forma que temos colocado o eixo do nosso trabalho, seja no Supremo Tribunal Federal, seja no Conselho de Justiça”, declara.

 

Em março, o governador Mauro Mendes (DEM) recorreu ao Tribunal de Contas da União para receber o recurso.
Em abril, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que só iria liberar o FEX se a Reforma da Previdência fosse aprovada.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Você concorda com a reabertura de shoppings, bares e restaurantes em Cuiabá?

Parcial

Edição digital

Quarta-feira, 03/06/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21,40 -0,47%

Algodão R$ 90,59 -0,44%

Boi a Vista R$ 136,23 -0,38%

Soja Disponível R$ 65,20 -0,31%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.