Publicidade

Cuiabá, Quinta-feira 16/07/2020

Judiciário - A | + A

MÁRIO ANDREAZZA 22.01.2020 | 15h10

Ex-Secopa serão ouvidos por fraude em contrato de trincheira

Facebook Print google plus

Montagem/Gazeta Digital

Montagem/Gazeta Digital

O juiz da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Popular, Bruno D’Oliveira Marques,  marcou para o dia 18 de março a audiência da ação penal que tem como réus os ex-secretários extraordinários da Copa do Mundo, Eder Moraes Dias e Maurício Guimarães, e o ex-presidente da comissão de licitação da Secopa, Eduardo Rodrigues da Silva.

 

Os 3 são acusados de irregularidades em um contrato firmado com a Ster Engenharia Ltda para execução da obra da trincheira Mário Andreazza. Eles se tornaram réus em 2017, após o juiz  Luis Aparecido Bortolussi Júnior, ter acatado a denúncia contra os 3. 

 

Leia também - Taques aguarda regras para definir sobre candidatura ao Senado

 

Conforme narrado nos autos, o Ministério Público foi informado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), a respeito de indícios de irregularidades em um contrato firmado entre a empresa Ster Engenharia Ltda e a Secopa relacionado ao contrato para a execução da obra da “Trincheira Mário Andreazza”. 

 

O edital do certame previa que as empresas interessadas na concorrência apresentassem uma primeira proposta contendo valores com o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e uma segunda proposta com a isenção do imposto. Ao final, foi declarada vencedora a empresa Ster, com valor estipulado em R$ 5,8 (com ICMS) e R$ 5,2 milhões sem a incidência do ICMS. 

 

A Ster Engenharia Ltda sagrou-se vencedora por ter apresentado a proposta com melhor preço, no valor de R$ 5, 238 milhões. Porém,  a empreiteira foi contratada por R$ 5,879 milhões, o que gerou prejuízo aos cofres públicos do Estado no valor de R$ 410 mil. 

 

“Desse modo, na prática, Estado de Mato Grosso utilizou o fator determinante para a indicação da proposta vencedora o valor total com a isenção de ICMS, mas na hora de contratar, firmou o contrato sem a referida isenção, o que acarretou a contratação da proposta financeiramente prejudicial ao próprio Estado de Mato Grosso em importância superior a R$ 400.000,00”, afirma os autos.   

 

De acordo com o Ministério Público, documentos juntados e parte da investigação comprovam a irregularidade. Ainda segundo o órgão, se fosse considerada a contratação proposta de menor preço com o ICMS, a vencedora “legal” no certame seria o Consórcio Paviservice/Engeponte, no valor de R$ 5.468.830,52 milhões.   

 

“Como já demonstrado, os requeridos agiram em afronta ao interesse público e à legislação que rege as licitações ao deixar de contratar a proposta mais vantajosa ao Estado, causando assim prejuízo ao erário”, salienta o promotor Clóvis de Almeida Júnior, responsável pela denúncia.   

 

No julgamento de mérito, o Ministério Público requer o ressarcimento e indenização por danos morais coletivos de R$ 4,1 milhões, dez vezes mais que o prejuízo supostamente causado.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Diogo Vargas - 22/01/2020

Esses dois tinha que estar na cadeia pelo fato de ter furtado dinheiro público.

1 comentários

1 de 1

Enquete

Você acredita na eficácia das barreiras sanitárias implantadas em Cuiabá?

Parcial

Edição digital

Quinta-feira, 16/07/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 19,00 -0,52%

Algodão R$ 120,63 0,13%

Boi a Vista R$ 138,33 0,97%

Soja Disponível R$ 66,35 0,00%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.