Publicidade

Cuiabá, Sábado 07/12/2019

Judiciário - A | + A

OPERAÇÃO RÊMORA 30.10.2019 | 18h57

PGR dá parecer contrário no pedido de habeas corpus de ex-deputado

Facebook Print google plus

Otmar de Oliveira

Otmar de Oliveira

O vice-procurador Geral da República, José Bonifácio Borges de Andrada, deu parecer contrário ao pedido de habeas corpus feito, na Justiça, pela defesa do ex-deputado estadual e ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, Moisés Feltrin. O ex-parlamentar recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para trancar a ação penal por suposto envolvimento na Operação Rêmora.

 

A decisão foi proferida na última sexta-feira (25). Conforme manifestou a defesa de Feltrin, o MPE não teria indicado o vínculo entre ele e os demais indiciados na operação, apenas a condição de ser representante das empresas investigadas no esquema.

 

Leia também - MP promove arquivamento de inquérito contra Pedro Taques

 

Contudo, José Bonifácio aponta que Feltrin não só tinha conhecimento do envolvimento de sua empresa, Tirante Construtora e Consultoria, como também tinha o objetivo de fixar artificialmente preços oferecidos ao Estado para controlar o mercado de engenharia civil de obras públicas.

 

“O recorrente não foi denunciado tão somente por ser representante de uma das empresas beneficiadas com o esquema fraudulento, mas, sobretudo, porque contribuiu ativamente com o sucesso da empreitada delitiva, participando de reuniões designadas especialmente para combinar com os demais envolvidos os vencedores de cada uma das licitações”, diz trecho da decisão.

 

Feltrin e mais 21 pessoas, entre servidores públicos e empresários, foram denunciados pela suposta prática de formação de cartel, organização criminosa e fraude a licitação. Conforme consta na decisão, os indiciados formulavam acordos entre si para frustrar o caráter competitivo de licitações na Secretaria Estadual de Educação de Mato Grosso (Seduc).

 

Operação Rêmora

A Operação Rêmora teve sua 1ª fase deflagrada em e de maio de 2016 pelo rupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) para desarticular uma organização criminosa que fraudava licitações na Seduc relativas a obras de reforma e construção de escolas.

 

Conforme as investigações do Gaeco integravam a quadrilha servidores públicos, empresários e o então secretário de Educação Permínio Pinto (PSDB) que foi demitido no mesmo dia em que o esquema veio à tona. As fraudes eram praticadas no caráter competitivo dos processos licitatórios e começaram a ocorrer em outubro de 2015 envolvendo pelo menos, 23 obras, cujo valor total ultrapassava o montante de R$ 56 milhões.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

Enquete

Racismo, fake news e ganância são alguns dos sambas-enredo deste ano. O Carnaval deve ser politizado?

Parcial

Edição digital

Sábado, 07/12/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 22,20 -3,90%

Algodão R$ 90,45 -0,15%

Boi a Vista R$ 140,00 1,45%

Soja Disponível R$ 76,00 0,93%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.