Publicidade

Cuiabá, Domingo 22/09/2019

Judiciário - A | + A

Caso Rodrigo Claro 15.04.2019 | 15h31

Testemunha de Ledur, coronel explica método de afogamento em treinamento

Facebook Print google plus

Chico Ferreira

Chico Ferreira

Atualizada às 18h32 - A audiência é encerrada e além desta terça-feira (16), outros 3 dias são definidos para realizar as próximas audiências com as testemunhas de defesa, sendo 22, 29 e 30, este último é a data para quando está previsto o depoimento da tenente Izadora Ledur.

 

 Em seu depoimento durante a tarde, o coronel João Rainho Júnior, única testemunha ouvida no primeiro dia da audiência, também disse que há alunos que não merecem o esforço para incentivar a continuar o curso de formação quando este apresentam dificuldades no treinamento de salvamento aquático. "Tem aluno que não merece esforço nosso. Dependendo vale a pena insistir nele. As vezes ele é bom em casos de incêndio, altura", afirma.

 

Em seguida o promotor questionou sobre a posição do coronel durante o treinamento ao se deparar com um aluno que apresentasse sintomas como o de Rodrigo quando pediu para parar com o treinamento. "A dor de cabeça ninguém vê, se o cara é acachambrador ele vai dizer isso. Vômito é trato digestivo", minimiza.

 

Em seguida afirma que para salvamento aquático o ideal é ter uma unidade de resgate no local. "O top seria um médico, isso num suporte avançado. Mas não são esperados traumas. O ideal era ter a unidade de resgate ou uma caminhonete com rota de evacuação e hospital de referência", relata.

Atualizada às 17h04 - Primeira testemunha de defesa a ser ouvida é o coronel João Rainho Júnior. Ele é questionado pelo advogado da tenente Izadora Ledur, Huendel Rolim, sobre o procedimento da formação de alunos dos bombeiros e algumas técnicas.

 

Coronel relata algumas dinâmicas que ocorrem quando ministra os cursos de formação, como o nado resistivo, quando o nadador além do próprio corpo lida com peso e contra a correnteza. "Falo vai força aí e me arrasta. É para melhorar o desempenho e quando ele estiver fazendo o nado reboque ele vai suportar melhor o resgate de um afogado", explica.

 

Rainho ainda complementa elogiando Ledur qua foi uma das alunas formadas por ele. "Ela é boa no nado contra a correnteza".

 

Em seguida ele explica o que é caldo e diferencia a técnica do afogamento. "Em salvamento, caldo é a simulação do que um afogado desesperado que nos abraça", define.  Em seguida, diz que não existe um padrão para a abordagem ao aluno. "Sempre tem as variáveis, quanto mais variáveis passarmos mais preparados eles estarão para a ação. Já o afogamento é quando seguro a pessoa até que ela aspire água e vá para os pulmões".

 

O coronel é questionado se já passou por alguma situação de ter aluno pedindo para parar durante o treinamento na água. Rainho responde que isso depende do aluno fazendo diferenciação de alunos "acachambrador". "A gente fala 'deixa de ser frouxo e respira'. Tem alunos que aguentam firme e até brincam depois. Tem acochambrador que qualquer coisa 'me machuquei'", relata. Sobre os xingamentos ele diz apenas que são normais.

 

Testemunhas 

Coronel João Rainho Júnior

Major Danilo Cavalcante Coelho

Primeiro-tenente Felipe Mançano Sabóia

Primeiro-Tenente Daniel Alves Moura e Silva

Primeiro-Tenente Janisley Teodoro Silva

Primeiro-sargento Marcizio Oliveira Moraes

Ssoldado Rafael do Carmo Lisboa

 

Só após as testemunhas, Izadora Ledur será ouvida. 

 

 

Tenente Izadora Ledur de Souza Dechamps participa nesta segunda-feira (16) da audiência de instrução, realizada na 11ª Vara Criminal Militar de Cuiabá, sobre a ação penal que responde pela morte do ex-aluno do Corpo de Bombeiros, Rodrigo Claro.

 

Uniformizada, ao ser iniciada a audiência pelo presidente, Marcos Faleiros, Ledur bateu continência aos juízes militares que compõe o conselho de sentença.

 

Defesa de Ledur pede para que o caso seja julgado na Justiça Militar e afirma dizendo que a Polícia Judiciária Civil (PJC)  não tinha competência para apurar o caso, está pedindo para anular as provas produzidas.

 

Os juízes militares, por maioria de 4 votos, rejeitaram o pedido da defesa para a permanência das provas produzidas pela Polícia Civil durante a investigação da morte de Rodrigo Claro.

 

Caso

 

Rodrigo Claro morreu no dia 15 de novembro de 2016 após participar de treinamento e atividades aquáticas, pelo 16º Curso de Formação de Soldado Bombeiro do Estado de Mato Grosso. Segundo denúncia do Ministério Público, a vítima foi submetida a sessões de afogamento durante a travessia na lagoa, sob o comando da tenente Ledur, o que resultou na morte.

Ledur responde também processo criminal, por tortura com resultado morte, na Justiça Militar. Na próxima semana, por sinal, serão ouvidas as últimas testemunhas e está marcado também o depoimento da acusada. A tenente ficou mais de 700 dias de licença médica após a morte do aluno. Voltou recentemente para a corporação e tenta a promoção para capitã.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

renildo cesar - 15/04/2019

Quero ate ver quantos destes irão faltar com a verdade

cidão - 15/04/2019

éssa ai deve ser punida com expulsão da corporação,fui do exercito e sei oque digo lá não aconteçe isso porque,perder um ente querido não facil, a nossa justiça é muito branda para essa gente. nas forças armadas um caso desses gera problema para que é responsavel pelo treinamento mais uma vez digo a nossa justiça é branda.

2 comentários

1 de 1

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

GD

GD

Enquete

Os brasileiros estão menos felizes neste ano em comparação com o ano passado, segundo pesquisa. Qual a causa?

Parcial

Edição digital

Domingo, 22/09/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 20,20 -0,25%

Algodão R$ 89,68 -0,34%

Boi a Vista R$ 129,81 -0,05%

Soja Disponível R$ 66,15 -0,15%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.