Publicidade

Cuiabá, Quinta-feira 22/10/2020

Mundo - A | + A

CONFLITOS 18.10.2020 | 12h22

Armênia e Azerbaijão acusam-se de terem quebrado uma nova “trégua humanitária”

Facebook Print google plus
Agência Brasil

redacao@gazetadigital.com

Ministério da Defesa da Armênia

Ministério da Defesa da Armênia

A Armênia e o Azerbaijão acusam-se de terem quebrado uma “trégua humanitária” apenas poucas horas depois de ter entrado em vigor na disputada região de Nagorno-Karabakh. Esta região montanhosa, no sul do Cáucaso, está no centro do conflito entre a Armênia e o Azerbaijão, tendo sido intensificado no fim de setembro com avanços armados por parte dos dois Estados na tentativa de incorporar a região nas respectivas fronteiras.

 

A “trégua humanitária” foi acertada neste sábado (17) e entrou em vigor a partir da meia-noite, depois de um cessar-fogo mediado pela Rússia há uma semana não ter conseguido travar o conflito que dura mais de 30 anos.

 

Leia também - Sem remédio de R$ 9 mil, idoso sofre com piora de câncer

 

No entanto, a porta-voz do Ministério da Defesa armênio, Shushan Stepanyan, anunciou no Twitter que o Azerbaijão quebrou o acordo apenas quatro minutos após a entrada em vigor: "O inimigo disparou artilharia na direção Norte, entre as 0h04 e as 2h45 [21h04 e 23h45 de sábado em Lisboa] e lançou mísseis em direção ao Sul entre as 2h20 e as 2h45 [23h20 e 23h45 de sábado em Portugal continental]". O Ministério da Defesa disse ainda que tomará todas as “medidas necessárias” para chegar a um cessar-fogo e formas de o aplicar na área.

Mais tarde, o Azerbaijão também acusou a Armênia de quebrar a trégua. “O inimigo disparou nas proximidades da cidade de Jabrail, bem como nas aldeias dessa região, usando morteiros e artilharia”, disse o Ministério da Defesa do Azerbaijão, acrescentando que o Exército “tomou medidas de retaliação adequadas”. “Há vítimas e feridos de ambos os lados”, disseram as autoridades em Nagorno-Karabakh.

Ontem, o Azerbaijão já tinha acusado a Armênia de atacar Ganja, a sua segunda maior cidade, com um míssil balístico que matou pelo menos 13 civis e feriu 50. Cerca de 20 prédios residenciais ficaram destruídos e as autoridades passaram horas a procurar vítimas e sobreviventes entre os escombros. Ganja já tinha sido atingida no domingo passado por um míssil, que matou dez pessoas e deixou mais de 30 feridos.

 

O que está em causa no conflito

Nagorno-Karabakh, uma região montanhosa a sul do Cáucaso, pertence ao Azerbaijão, mas está sob controle de forças étnicas apoiadas pela Armênia desde que foi acordado um cessar-fogo em 1994, que encerrou uma guerra de seis anos pelo território.

 

Apesar do cessar-fogo, o impasse prevaleceu e voltou a entrar em escalada em setembro, com avanços armados por parte dos dois Estados na tentativa de incorporar a região às suas fronteiras.Os últimos combates envolvem artilharia pesada, mísseis e drones, já tendo provocado a morte de mais de 700 pessoas e a fuga de outras, no que é considerado o pior conflito desde o fim da guerra, há 26 anos.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Como você avalia a ausência de um candidato convidado para debater com adversários?

Parcial

Edição digital

Quinta-feira, 22/10/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 57,50 1,77%

Algodão R$ 118,67 3,64%

Boi a Vista R$ 242,24 0,00%

Soja Disponível R$ 156,30 0,35%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.