Publicidade

Cuiabá, Domingo 25/10/2020

Mundo - A | + A

confinamento muito longo 12.06.2020 | 15h15

ONU pede que países deixem navios estrangeiros trocarem as tripulações

Facebook Print google plus

Divulgação/Marinha

Divulgação/Marinha

A Organização das Nações Unidas (ONU) pediu aos países que possuem costa marítima que permitam navios cargueiros, comerciais e de cruzeiro de outras nações chegar a seus portos e pontos de desembarque para substituir tripulações presas há muito tempo nessas embarcações por causa da pandemia de coronavírus.

 

A Organização Mundial do Trabalho (OIT) informou que entre 150 mil e 200 funcionários e tripulantes de várias nacionalidades estão confinados em navios espalhados pelos mares de todo o mundo por dois, três e até quatro meses além da data marcada para o final das jornadas.

 

Leia também - Policial envolvido na morte de George Floyd é solto sob fiança de R$ 3,7 mi

 

Esses navios foram obrigados a prorrogar as missões e os contratos de trabalho por não conseguirem permissão para desembarcar nas costas de outros países.

 

Com o longo atraso, muitos tripulantes passaram a relatar exaustão física, problemas psicológicos e doenças que comprometem ou até impedem o desempenho no trabalho, além de gerar necessidade de atenção por parte dos colegas de trabalho.

 

Prática comum na rotina marítima, a troca de tripulação em portos estrangeiros foi suspensa por grande parte dos países banhados por mar desde o início da pandemia. Na maioria dos casos, pelo temor de que estrangeiros contaminados transmitam o coronavírus para outras pessoas durante o período entre o desembarque e a volta a seus países de origem.

 

O diretor-geral da OIT, Guy Ryder, pediu aos governos de todos os países banhados por mar que classifiquem essas tripulações como “trabalhadores-chave para todos no mundo”. E criem procedimentos especiais para que eles desembarquem nas costas, recebam cuidados, quando for o caso, e sejam substituídos nos navios por novos colaboradores.

 

“Forçar essas tripulações exaustas a continuar o trabalho por mais dois, três ou até quatro meses após as datas de encerramento e o término dos contratos é desumano e inaceitável”, protesta Ryder. “Isso prejudica a saúde de todos eles e coloca em risco a segurança marítima. Apelamos aos governos para que trabalhem juntos nessas trocas, para que elas ocorram com toda segurança”, acrescenta o diretor-geral.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Com abertura do comércio, bares, igrejas e retomada de festas, você já retomou à rotina?

Parcial

Edição digital

Domingo, 25/10/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 61,00 2,52%

Algodão R$ 125,19 1,55%

Boi à vista R$ 242,24 0,00%

Soja Disponível R$ 161,50 0,31%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.