Publicidade

Cuiabá, Terça-feira 17/09/2019

Polícia - A | + A

Maioria por drogas 22.08.2019 | 16h53

Aliciada pelos 'companheiros', mulheres cada vez mais praticam crimes no Estado

Facebook Print google plus

PM/MT

PM/MT

Dados da  Superintendência de Planejamento Operacional e Estatística da Polícia Militar (SPOE- PM) apontam que de janeiro a julho de 2019 cerca de 3.020 mulheres foram presas no Estado por crimes como tráfico de drogas, posse de entorpecentes, vias de fato, lesão corporal, furto comercial, roubos e mandado de prisão em aberto.

 

Leia também - Idosa de 69 anos é presa com arma e invasão de 4 propriedades

 

A maior parte das envolvidas com a criminalidade se dizem esposas, namoradas ou companheiras de homens que já foram presos ou cumprem pena no sistema prisional do Estado.

 

Os números mostram um aumento dos casos, comparando com os anos de 2017 e 2018. De janeiro a dezembro de 2017, a Polícia Militar prendeu 5.754 mulheres. Já no ano de 2018, esse número reduziu para 5.349 prisões, porém demonstra que 2019 deve terminar com um índice maior de casos. As idades das suspeitas variam entre 13 a 59 anos.

 

O mês de março, conforme o balanço, foi o que teve maior número de detenções de mulheres, alcançando 611 conduções. O número expressivo, segundo o comandante da SPOE, Sebastião Carlos, se deve a um possível protagonismo das mulheres à frente de pontos de vendas de drogas, no controle de distribuição do entorpecente, na participação em crimes de roubos à residência e furto a estabelecimentos comerciais.

 

“Identificamos neste levantamento que por não levantarem suspeitas, algumas dessas mulheres são cooptadas pelos companheiros a tomar conta das finanças do crime, assumem a função de  distribuir entorpecentes para o tráfico e até utilizar os próprios filhos; em alguns casos ainda bebês para tentar escapar de abordagens e não despertar suspeitas. Nos casos  de lesão corporal e via de fato, as mulheres são presas em algumas ocorrências por agredir o marido, namorado ou ex- companheiro”, conta o comandante. 

 

Na última segunda-feira (19.08), em menos de 12 horas, policiais militares prenderam em pontos diferentes do Estado, duas mulheres: uma por crime de tráfico de drogas e outra por agressão e lesão corporal, nas cidades de Barra do Garças e Rondonópolis, respectivamente.  

 

Em Barra do Garças, a mulher de 20 anos foi presa pela sexta vez em flagrante. Ela estava nas proximidades de uma escola, com nove papelotes de cocaína dentro da bolsa.

 

Já em Rondonópolis, uma mulher de 30 anos foi presa depois de ingerir bebida alcoólica e agredir o marido, quebrando o dente da vítima por ciúmes. Ela foi presa em flagrante depois que vizinhos chamaram a PM, via 190. 

 

O levantamento realizado pela SPOE da PM destaca que durante os três anos analisados (2017, 2018 e 2019) as ocorrências de naturezas de vias de fato, tráfico de drogas e lesão corporal somam um total de 41% de conduções de mulheres por prática de crimes.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

GD

GD

Enquete

Sobre o aumento de 600% no número de casos de dengue no Brasil é mais correto dizer que:

Parcial

Edição digital

Terça-feira, 17/09/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 22,75 -1,09%

Algodão R$ 117,65 -0,22%

Boi a Vista R$ 136,33 0,22%

Soja Disponível R$ 65,40 0,31%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.