Publicidade

Cuiabá, Terça-feira 19/11/2019

Política de MT - A | + A

Deu no Intercept 16.10.2019 | 21h40

Bolsonaro estuda privatizar áreas no Pantanal e Chapada; confira lista

Facebook Print google plus

Marcos Vergueiro

Marcos Vergueiro

Reportagem do site The Intecept mostra que o governo do presidente Jair Bolsonaro, por meio do Ministério do Turismo, estuda privatizar áreas de conservação do Pantanal e o Parque Nacional de Chapada dos Guimarães a ideia é transformar 'cartões postais' do Brasil em atrações turísticas. A reportagem destaca que o próprio presidente é um entusiasta da criação de "Cancúns" brasileira. 

 

O repórter de Breno Costa do The Intercept teve acesso a documentos que tramitam internamente no Ministério do Turismo e mostram o desejo da privatização dessas áreas. A lista conta com 222 propriedades da União em 17 estados brasileiros e no Distrito Federal. 

 

Mato Grosso tem 9 áreas que devem passar para a inicativa privada, além do Parque Nacional do Pantanal Mato-grossense e do Parque Nacional de Chapada dos Guimarães, ainda está incluso no projeto a Orla Barão de Melgaço, Orla de Cáceres, Parque Nacional do Juruena (Colniza, Cotriguaçu, Nova Bandeirantes e Apiacás), Caverna do Jabuti (Curvelândia), Orla de Santo Antonio de Leverger, Orla de Várzea Grande, Gruta Azul (Nobres), Projeto de Assentamento Rural Coqueiral/Quebó - um assentamento rural (Nobres) e Projeto de Assentamento Rural Carimã (Rondonópolis).

 

O governo deseja passar essas áreas para exploração do turismo pela iniciativa privada. Para montar a lista, os governos estaduais ajudaram na indicação das áreas ao governo federal. 

 

Segundo a reportagem, um parque de 135 mil hectares, localizado no Pantanal Mato-grossense estaria entre às áreas que serão repassadas para exploração do turismo pelo setor privado. O repórter destaca que a área em questão tem quase a extensão da cidade de São Paulo (SP). 

 

Já em em Chapada dos Guimarães, a ideia é de inserir no programa o Parque Nacional. O parque tem uma área de 33 mil hectares e contempla belezas naturais como a cachoeira Véu de Noiva. O Parque foi criado em 1989 e está sob gestão do ICMBio. 

 

A reportagem destaca que a lista poderá ser maior, já que estados como São Paulo ainda não responderam ao Ministério do Turismo. A matéria destaca que o governo brasileiro segue o que foi feito em Portugal há três anos. 

 

Aqui no Brasil o programa, segundo a reportagem, é chamado de Revive, e deve conceder à iniciativa privada também prédios históricos que estão abandonados.

 

Em Portugal, a reportagem destaca que a maioria dos prédio que estão no programa são transformados em hotéis. 

 

Leia a reportagem na íntegra e entenda os planos do governo brasileiro.  

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Aldo - 17/10/2019

Mais uma vez estamos diante de um presidente que não tem nada a ver com a preservação do meio ambiente. Gostaria muito de saber a quem interessa esse tipo de ação. Todas as áreas naturais do Brasil que se tornaram de uso público estão na sua maioria degradadas.

1 comentários

1 de 1

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

GD

GD

Enquete

Na sua opinião o Brasil tem partidos políticos demais?

Parcial

Edição digital

Terça-feira, 19/11/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 24,90 0,40%

Algodão R$ 99,38 -0,18%

Boi a Vista R$ 138,00 1,77%

Soja Disponível R$ 70,20 0,72%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.