Publicidade

Cuiabá, Segunda-feira 21/10/2019

Política de MT - A | + A

PROPINA NO PARLAMENTO 08.10.2019 | 13h41

Gilmar Fabris e Luciane Bezerra recebiam tratamento diferenciado, diz Riva

Facebook Print google plus

Marcus Vaillant/Otmar de Oliveira

Marcus Vaillant/Otmar de Oliveira

Na proposta de colaboração premiada do ex-deputado José Riva, junto ao Ministério Público (MP) de Mato Grosso, o ex-manda-chuva da Assembleia Legislativa, revela que dois ex-deputados eram tratados de maneira "diferenciada" no esquema de pagamento de propina dentro do Parlamento estadual.

 

Trata-se de Gilmar Fabris (PSD) e Luciane Bezerra, então PSB. Segundo Riva, durante as gestões Blairo Maggi (PP) e Silval Barbosa, Fabris era apenas suplente de deputado. Porém, mesmo assim recebia do propinoduto do Legislativo estadual. 

  

Leia também - R$ 38 milhões foram gastos na compra de cargos na AL

 

"Ainda que suplente, uma vez que, por determinação de ambos (Maggi e Silval), deveria ter tratamento privilegiado, ou seja, receber a propina em dobro para manter seu pessoal contratado e pago por fora, acrescido de salário e mais verba indenizatória", diz trecho do documento. 

 

Segundo a planilha apresentada por Riva, Gilmar Fabris se beneficiou de R$ 12 milhões em propina entre 2003 e janeiro de 2015.

 

Já a ex-deputada Luciane Bezerra, que era oposição ao governo Silval Barbosa, teria sido atendida pelo ex-deputado Sérgio Ricardo, já que a mesma tinha divergência com Riva. 

 

Porém, com a saída de Sérgio Ricardo para o Tribunal de Contas do Estado (TCE) de Mato Grosso, ela teria procurado Riva para "viabilizar o seu pagamento de propina mensal".  Riva afirma que Bezerra recebia combustível a mais que os demais parlamentares, por conta deste tratamento "diferenciado". 

 

"Enquanto os outros deputados recebiam 4 (quatro) mil litros de combustíveis mensais, ela recebia 15.000L por mês como forma de propina extra, conforme relatórios de entrega de materiais XXX", diz outro trecho do documento.

 

"Naquela oportunidade, o Colaborador tomou conhecimento de que, além das propinas mensais, a ex-deputada e atual prefeita de Juara/MT, Sra. Luciane Bezerra, teria recebido R$ 816.000,00 (oitocentos e dezesseis mil reais) por meio do Sr. Ricardo Novis Neves", complementa o colaborador. 

 

Riva promete apresentar comprovantes bancários, notas promissórias e a participação dos parlamentares no esquema de desvio de recursos da Assembleia, "através da assinatura de relatórios de recebimento de materiais falsificados, de forma individualizada", diz.

 

Na planilha apresentada por Riva, Luciane Bezerra teria recebido um total de R$ 3,2 milhões, entre fevereiro de 2011 a janeiro de 2015. Ambos já haviam sido filmados por Silval Barbosa, recebendo maços de dinheiro dentro do Palácio Paiaguás. 

 

Outro lado

A reportagem entrou em contato com os deputados Gilmar Fabris e Luciane Bezerra, mas até a publicação da reportagem, ambos não tinha atendido nossas ligações. O espaço continua aberto para que possam se manifestar sobre o assunto.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

GD

GD

Enquete

Qual sua opinião sobre a educação domiciliar?

Parcial

Edição digital

Segunda-feira, 21/10/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21,55 0,94%

Algodão R$ 90,43 -0,13%

Boi a Vista R$ 137,41 -0,43%

Soja Disponível R$ 70,00 0,29%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.