Publicidade

Cuiabá, Sexta-feira 04/12/2020

Política de MT - A | + A

ESCÂNDALOS DE EMANUEL 22.10.2020 | 20h43

Juiz suspende decisão que retirava parte de propaganda de França

Facebook Print google plus
Noelisa Andreola

noelisa@gazetadigital.com.br

Otmar de Oliveira

Otmar de Oliveira

O juiz do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Gilberto Lopes Bussiki, acatou o mandado de segurança com pedido de tutela cautelar de urgência do candidato a prefeito Roberto França (Patriota) contra a decisão que determinou a suspensão de parte de conteúdo de sua propaganda eleitoral.


"Pelos motivos expostos, defiro a tutela cautelar pleiteada para suspender os efeitos da tutela de urgência parcialmente concedida na representação eleitoral n.º 0600184-88.2020.6.11.0001, desobrigando o Impetrante suspender a veiculação da propaganda objeto da representação acima referida", diz em trecho da decisão desta quinta-feira (22).

 

Leia mais - 'França volta a atacar Emanuel Pinheiro em programa na TV'


A coligação do candidato argumentou que o conteúdo veiculado em seu programa sobre o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) foi publicado anteriormente pela imprensa.


"Ademais, verifica-se que a propaganda impugnada na representação eleitoral veicula matérias jornalísticas publicadas pela imprensa local e nacional sobre um suposto escândalo envolvendo o candidato à Prefeito Emanuel Pinheiro enquanto o mesmo era deputado estadual, sendo que os fatos trazidos à tona naquela ocasião ainda estão sob investigação judicial, não podendo classificá-los como manifestamente inverídicos".


Deste modo, Bussiki não constatou irregularidade no vídeo exibido no horário eleitoral.


"Verifica-se do material apontado como irregular, que as imagens apresentam notícias verídicas, com a tarja indicando a data de veiculação do material, sem qualquer alusão a se tratar de fato novo, de modo que, embora ácidas e duras, são passíveis de veiculação, máxime por trazer um tema que nunca sai cotidiano brasileiro, mas é francamente debatido neste período eleitoral: a corrupção. Inocorre, pois, neste aspecto, a irregularidade apontada".


Entenda o caso


Na quarta-feira (21), o juiz da 1ª Zona Eleitoral Geraldo Fidelis tinha deferido o pedido do prefeito Emanuel Pinheiro que determinava a retirada da peça publicitária que cita reportagens sobre o vídeo em que o gestor aparece recebendo maços de dinheiro e colocando no bolso do paletó, que foi apontado pelo ex-governador Silval Barbosa (sem partido) como pagamento de propina na Assembleia Legislativa.


Segundo o magistrado, Roberto França teria ultrapassado em 9 segundos a parte em que mostra reportagens sobre o caso paletó. "Objetivamente, no caso versado, o programa eleitoral veiculado nas redes de TV e rádio, possui, em sua totalidade, 01m35s, ou seja, 95s. A veiculação do nome do candidato a prefeito Emanuel Pinheiro inicia aos 29s e encerra aos 61s, compreendendo a totalidade de 32s. Assim, o tempo destinado ao não protagonismo do representado Roberto França Auad, compreenderia 23s, extrapolando, portanto, em 9s".

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Com o resultado da eleição, você acredita em uma Cuiabá melhor a partir de 2021

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 04/12/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 59,80 -0,33%

Algodão R$ 126,90 -0,91%

Boi à vista R$ 252,62 -0,19%

Soja Disponível R$ 153,00 -0,97%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.