Publicidade

Cuiabá, Sábado 19/09/2020

Política de MT - A | + A

DEU NA GAZETA 29.12.2019 | 11h49

Mato Grosso é o ocupa o 4º em posts ‘pagos’ por candidatos eleitos

Facebook Print google plus
Lázaro Thor Borges

lazaro@gazetadigital.com.br

Mais de 70% dos candidatos eleitos por Mato Grosso em 2018 usaram recursos para impulsionar publicações nas redes sociais, como Facebook e Instagram, segundo dados do projeto “Você na Mira”, elaborado pelo InternetLab centro de pesquisas independentes sobre direito e tecnologia.

 

Leia também -Réu é condenado por matar homem que tentou proibir atalho

 

No recorte por unidades da federação, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul e o Paraná lideram o ranking de porcentagem de candidatos eleitos que impulsionaram conteúdo com 81,4%, 80% e 78,2%, respectivamente. Na base, com os menores percentuais, estão Acre (31,4%), Amapá (34,3%) e Sergipe (42,9%).

 

Mato Grosso é o quarto colocado no ranking. Na avaliação do publicitário Gustavo Vandoni, especialista em estratégia de campanha em redes sociais, os números podem indicar que existe uma forte correlação entre gastos com o marketing digital das candidaturas e as possibilidades de eleição, mas tudo depende do conteúdo divulgado.

 

“Não tenho dúvida de que o número de pessoas que impulsionam só tende a aumentar, mas se o candidato não tem base
qualificada e se o que ele fala não é interessante, é um discurso ruim, não vai adiantar utilizar esse tipo de mecanismo’,
comentou Vandoni.

 

Os números do InternetLab indicam que a taxa de sucesso entre candidatos que impulsionaram e foram ou não eleitos
nota-se que entre os que impulsionaram e foram eleitos a média de gastos foi, em todas as corridas, maior do que daqueles
que impulsionaram e não foram eleitos. Na prática, isso significa que os candidatos eleitos, utilizando a ferramenta,
investiram mais.

 

A única exceção a correlação foi a corrida presidencial, da qual saiu eleito um candidato que não declarou gastos com impulsionamento, enquanto os rivais (dos 13 candidatos, 9 impulsionaram) tiveram um gasto médio de R$ 469 mil.

 

Jair Bolsonaro, que possui uma forte militância virtual, elegeu-se impulsionando pouca propaganda. O relatório completo sobre a pesquisa, incluindo base de dados e outras informações sobre a metodologia adotada, foi publicado no site do InternetLab. O compilado agrega 5 relatórios que tratam do impulsionamento de campanha, raio-x do marketing de  campanha dos presidenciáveis e a análise sobre as campanhas por uma vaga na Câmara dos Deputados.

 

Por meio de um plug-in, pesquisadores da área de Informação e Política monitoraram critérios de direcionamento de
publicações visando dar transparência às propagandas políticas impulsionadas por candidatos e clareza às estratégias de
campanha nas redes.

 

O levantamento analisou casos de campanhas que direcionavam as publicações com base em geolocalização, idade, gênero, interesses como temas e páginas de grande alcance nacional.

 

Leia matéria completa no Jornal A Gazeta

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Denúncias de mulheres contra agressores demoram vir à tona por conta de posição social?

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 18/09/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 19,90 1,27%

Algodão R$ 94,14 0,04%

Boi a Vista R$ 136,00 1,49%

Soja Disponível R$ 67,90 0,00%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.