Publicidade

Cuiabá, Quinta-feira 12/12/2019

Política de MT - A | + A

DISPUTA INTERNA NO TCE 10.10.2019 | 12h12

Novelli desqualifica auditoria realizada por conselheira substituta

Facebook Print google plus

TCE

TCE

Afastado Tribunal de Contas, o conselheiro José Carlos Novelli aponta que o relatório de auditoria para apurar possíveis irregularidades em contrato em sua gestão ( 2012 e 2013) é sem efeito. Segundo ele, o documento foi produzido arbitrariamente, sem considerar o devido processo legal assegurado no Regimento Interno do TCE. A investigação também abrange a gestão do conselheiro afastado Waldir Teis (2014 e 2015).  

 

"A auditoria não teve motivação legal para sua instauração e a informação técnica foi elaborada por auditores suspeitos, que omitiram da fiscalização os períodos em que estiveram à frente a Secretaria de Tecnologia da Informação. Além disso, a própria Interina Jaqueline Jacobsen não poderia conduzir a investigação, por ser a maior interessada no caso. Ela ocupa atualmente o lugar de Novelli", diz o advogado de defesa de Novelli, Emanoel Bezerra.    

 

Leia também - PGE obtém decisão que regulariza as apreensões de mercadorias

 

Segundo o advogado, "estão buscando é criar um fato para tumultuar e gerar manchas na reputação dos conselheiros titulares e, assim, promover a manutenção dos substitutos a qualquer preço, inclusive cometendo atos abusivos e ilegais. As contas já estão transitadas em julgado, aprovadas pelo TCE e Assembleia Legislativa, e estão prescritas, pois estão sujeitas ao prazo decadencial de 5 anos”.    

 

Emanoel Bezerra informou que já foi protocolado administrativamente um requerimento ao presidente do TCE, Domingos Neto, para que faça o saneamento do processo, sob o risco de anular toda a auditoria. “O relatório é nulo, produzido por encomenda, com bases em argumentos subjetivos, contrariando todas as normas regimentais do TCE e, principalmente, o contraditório e ampla defesa. Além disso, essa fiscalização só pode ser instaurada com autorização do presidente da Corte, o que não foi observado pela interina Jaqueline Jacobsen, que usurpou a competência, demonstrando a sua imparcialidade na condução desta auditoria”, explicou o advogado.  

 

A defesa aponta também que os 3 auditores públicos externos, Alan Fernandes Pimenta, Simone Pelegrini e Edemar Claudio Marangon, são suspeitos para promover a auditoria. "Alan Pimenta e Edemar Marangon trabalharam integradamente na execução do  planejamento estratégico do TCE no período de 2010 e 2011, da gestão de Valter Albano, período este omitido na auditoria. Simone Pelegrini assumiu a Secretaria de Tecnologia da Informação em 2016, dando continuidade em vários dos contratos investigados. Somente Edemar Marangon protocolou sua suspeição, mesmo já tendo entregue e assinado o relatório, o que comprova a falta de imparcialidade e isenção na sua elaboração".  

 

“Como ela (Simone) poderia participar deste processo investigatório se ela deu continuidade a alguns desses contratos que ela apontou ter irregularidades. Além disso, nota-se que Simone auditou apenas até 2015, não levando em consideração o período em que ela era a responsável pela execução dos mesmos, em 2016 e 2017 (gestão de Antonio Joaquim), que mantiveram, inclusive, os valores pagos anteriormente”, argumentou a defesa.  

 

A defesa de Novelli informa ainda que Simone Pelegrini, antes de se tornar auditora, trabalhou em pelo menos uma das empresas investigadas apontadas no relatório, o que comprova a sua ausência de isenção necessária para a execução da fiscalização.  

 

"A nova lei de abuso de autoridade prevê que condutas como esta da auditora interina Jacobsen e dos auditores são consideradas crime, uma vez que visa somente tumultuar a investigação de competência do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Relatórios preliminares que não passaram pelo crivo do contraditório e ampla defesa são criminosos e sem validade jurídica. A gravidade do ato da interina é ainda maior ao encaminhar esse relatório ilegal à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal, cometendo crime de denunciação caluniosa. Ressalto que o próprio Tribunal de Justiça de Mato Grosso apontou abuso de autoridade do TCE ao não ceder a Novelli o acesso à auditoria, concedendo mandado segurança determinando o acesso às informações em até 48 horas. Entendemos que há mais irregularidades no processo de auditoria, incluindo falsificação de documentos”, contextualizou. (Com informações da assessoria)  

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

Enquete

Sobre projeto de lei que prevê prisão para quem deixar de vacinar criança ou adolescente

Parcial

Edição digital

Quinta-feira, 12/12/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 18,95 0,53%

Algodão R$ 94,00 -0,50%

Boi a Vista R$ 130,50 -0,76%

Soja Disponível R$ 68,00 0,15%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.