Publicidade

Cuiabá, Quinta-feira 06/08/2020

Política de MT - A | + A

Deu na record 02.12.2019 | 17h15

Áudios citam Neri Geller em suposta propina na gestão de Dilma

Facebook Print google plus

Divulgação

Divulgação

A TV Record teve acesso a interceptações telefônicas feitas com autorização da Justiça e que fazem parte de uma investigação da Polícia Federal sobre o pagamento de propina da J&F para o grupo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

 

As ligações foram feitas um mês depois do segundo turno das eleições de 2014. Em uma das conversas, o nome do deputado Neri Geller (Progressistas), então ministro da Agricultura é citado. Geller é o atual coordenador da bancada federal de Mato Grosso. 

 

O caso está sob investigação. A ligação foi feita no dia 21 de novembro de 2014. O coordenador-financeiro da campanha de reeleição da petista, Edinho Silva, orienta o execultivo da J&F, Ricardo Saud, a tratar com Neri sobre uma mudança no negócio de Mato Grosso. Em seguida, orienta Saud a falar com o seu braço direito, Manoel Sobrinho. 

 

Leia mais - TRE livra Bezerra de cassação e multa prefeito em R$ 50 mil

 
O parlamentar que é líder da bancada de MT no Congresso chegou a ser preso em novembro de 2018, na Operação Capitu. A operação foi deflagrada um mês depois das eleições de 2018. 

 

A operação cumpriu 63 mandados de prisões e buscas e apreensões em Mato Grosso, Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro e Paraíba. Somente em Mato Grosso, foi cumprido um mandado de prisão temporária em Rondonópolis (contra Geller) e dois mandados de busca e apreensão em Lucas do Rio Verde, em uma casa e num posto de combustíveis ligado ao ex-ministro.   
 
Em uma conversa com Manoel, ele diz que o 'meio' de Mato Grosso continua.

 

Manoel: Na verdade, eu tinha falado que era um de Minas e não é. É um e maio.

Saud: Ah tá. E o meio do Mato Grosso continua?

Manoel: Isso.  

 

A reportagem cita que segundo as investigações a então presidente Dilma e o PT de Minas receberiam R$ 6 milhões, sendo R$ 5 milhões só da presidente. A matéria diz que a PF quer saber se o dinheiro foi doado de forma legal e onde foi parar. Os valores foram tratados um mês depois das eleições, a PF acredita que possa ser propina em troca de favores do governo. 

 

Outro lado 

Por meio da assessoria, o deputado destacou que não há se quer manifestação da Polícia Federal quanto ao indiciamento ou não do deputado no caso da Operação Capitu.

Vídeo

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Após a reabertura dos shoppings, você voltou a frequentar como antes da pandemia?

Parcial

Edição digital

Quinta-feira, 06/08/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 22,10 0,68%

Algodão R$ 93,70 0,57%

Boi a Vista R$ 128,90 0,38%

Soja Disponível R$ 68,20 -0,29%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.