Publicidade

Cuiabá, Sexta-feira 27/11/2020

Política Nacional - A | + A

Obrigatoriedade 29.10.2020 | 07h15

Aécio cria projeto que pune quem se recusa a tomar vacina da covid-19

Facebook Print google plus

Estadão Conteúdo

Estadão Conteúdo

O deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) protocolou na terça-feira (27) um projeto que prevê sanções a quem se recusar a tomar vacina contra covid-19.

 

O Projeto de Lei nº 5040/2020 estabelece as mesmas penalidades previstas no Código Eleitoral a quem deixa de votar. Entre as sanções está a proibição de participar de concursos públicos, obter passaporte ou carteira de identidade e receber salários de emprego público.

 

Leia Também - Oposição quer barrar decreto sobre atuação de iniciativa privada em UBS

 

Na justificativa, Aécio afirmou que "a tarefa do Estado, ao determinar a vacinação, é proteger o direito de todos à vida, e sem esta evidentemente não há sequer opinião, quanto mais direitos".

 

O projeto foi protocolado poucos dias após a obrigatoriedade da vacina ser destaque na imprensa. O presidente Jair Bolsonaro vem defendendo que a vacina não seja obrigatória para não ferir direitos individuais. No final de semana, chegou a postar uma imagem ao lado de um cachorro brincando com a polêmica e afirmou: "vacina obrigatória só no Faísca".

 

A posição não é unanimidade, e há quem defenda a vacinação obrigatória como forma de evitar um espalhamento maior do vírus. O tema será detabido pelo plenário do STF (Supremo Tribunal Federal), que poderá determinar ou não a obrigatoriedade da vacina.

 

Aécio

 

O ex-candidato à Presidência da República em 2014 é investigado em uma série de inquéritos e se tornou réu no STF, em abril de 2018, sob acusação de corrupção passiva e obstrução da Justiça no episódio em que foi gravado pedindo R$ 2 milhões a Joesley Batista, da JBS.

 

Prometer vacinação para dezembro ou janeiro 'não é realista', diz brasileira que integra comitê da OMS contra covid-19

Além disso, ele foi indiciado pela Polícia Federal por supostos desvios e superfaturamento da construção da sede do governo de Minas Gerais, quando era governador, o que tería causado prejuízos de R$ 747 milhões aos cofres públicos. O deputado federal nega ter praticado irregularidades.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Suely da Silva Cavalcanti - 29/10/2020

Esses políticos deveriam se preocupar em fazer projetos q diminuam a pobreza, analfabetismo, falta de saneamento básico etc.... Segundo apregoam , os direitos são iguais para todos, então, pq impor algo q vai contra princípios democráticos, isso não é ditadura? Deveriam consultar o povo para elaborar um projeto dessa natureza que restringe a liberdade de opção do cidadão.

1 comentários

1 de 1

Enquete

Você concorda com o retorno das aulas presenciais em fevereiro ou acha melhor esperar a vacina?

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 27/11/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 62,00 0,00%

Algodão R$ 125,50 1,52%

Boi à vista R$ 252,87 -0,48%

Soja Disponível R$ 159,00 0,00%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.