Publicidade

Cuiabá, Segunda-feira 28/09/2020

Política Nacional - A | + A

presidente do stf 18.06.2020 | 20h00

Fake news cresce e se espalha para multiplicar o caos, fala Dias Toffoli

Facebook Print google plus

Reprodução/TV Justiça

Reprodução/TV Justiça

O ministro Dias Toffoli, presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), criticou duramente, nesta quinta-feira (18), as fake news e os algoritmos de redes sociais e quem se aproveita delas durante seu voto em que apoiou a continuidade e legalidade do inquérito das fake news.

 

 

"A fake news cresce como um fungo e se espalha para multiplicar o caos", afirmou Toffoli criticando ainda os algoritmos das redes sociais e como a lógica dos algoritmos de fake news e teorias da conspiração atingem a democracia.

 

Leia também - É um inquérito do fim do mundo, afirma ministro Marco Aurélio sobre as fake news

 

"Não é de hoje que os Ministros dessa corte sofrem ataques por pessoas, grupos e verdadeiras mílicias, verdadeiras mílicias digitais, e não só digitais, como vimos no último sábado, e que ameaçam o Supremo Tribunal Federal e colocam em risco também o estado democrático de direito", afirmou ainda o presidente do Supremo.

 

Toffoli destacou ainda que as fake news, muitas vezes, são para "obter vantagens indevidas de natureza politica, econômica e cultural" e que "são preocupacão no mundo todo em razão dos riscos e objetivos de atentar contra os valores do estado demoractivo de direito e da democracia".

 

Com a posição de Toffoli, 10 dos 11 ministros do STF concordaram com o voto do relator da ação, o ministro Edson Fachin, que considerou legal e aprovou o prosseguimento do inquérito das fake news.

 

Apenas o ministro Marco Aurélio foi contra, destacando uma série de pontos em que considerou a ação ilegal e admitiu os questionamentos feitos pelo partido Rede Sustentabilidade, que critica o inquérito e sua condução de ofício pelo STF.

 

Entenda o julgamento

O partido Rede Sustentabilidade moveu uma ação em que questiona a validade jurídica do inquérito dsa fake news, que tem relatoria do ministro Alexandre de Moraes, alegando que ele desrespeita a Constituição, extrapola o poder de polícia do STF e até mesmo a falta de justa causa para a investigação.

 

"Nenhum dos requisitos para a atuação do poder de polícia do STF estão presentes. Não há indicação de ato praticado na sede ou dependência do STF, muito menos quem serão os investigados e se estão sujeitos à jurisdição do STF", alegou o partido no processo, em que classifica ainda o inquérito como um ato de "um tribunal de exceção".

 

A AGU (Advocacia-Geral da União) chegou a emitir um parecer que considera válida a investigação, entretanto a PGR (Procuradoria Geral da República), questionou em partes o inquérito.

 

O processo ganhou força e destaque, principalmente depois que o ministro Moraes autorizou uma operação da Polícia Federal deflagrada contra apoiadores do presidente Jair Bolsonaro na internet, acusando esses alvos de produzirem e promoverem notícias falsas e ofensas contra a Corte e seus ministros.

 

"Os atos investigados são as práticas de condutas criminosas, que desvirtuando ilicitamente a liberdade de expressão, pretendem utilizá-la como verdadeiro escudo protetivo para a consumação de atividades ilícitas contra os membros da corte e a própria estabilidade institucional do Supremo Tribunal Federal", justificou o ministro Alexandre de Moraes na época de deflagração da operação, defendendo a investigação.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Ze da roça - 18/06/2020

OPINIÃO PÚBLICA NÃO É FAKE NEWS, OS MEMBROS DO STF ESTÁ A SERVIÇO DA ESQUERDA E TENTA DISTORCER INFORMAÇÕES.

1 comentários

1 de 1

Enquete

Na sua opinião, por que tantos candidatos milionários querem entrar na política?

Parcial

Edição digital

Segunda-feira, 28/09/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 19,50 2,09%

Algodão R$ 118,58 -0,22%

Boi a Vista R$ 137,25 -0,54%

Soja Disponível R$ 65,48 -0,09%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.