Publicidade

Cuiabá, Sexta-feira 10/07/2020

Política Nacional - A | + A

indicação 05.05.2020 | 08h06

Novo diretor-geral faz troca indireta da superintendência da PF no Rio de Janeiro

Facebook Print google plus

Reprodução

Reprodução

O novo diretor-geral da PF (Polícia Federal), Rolando Alexandre de Souza, fez uma troca indireta na chefia da superintendência da PF no Rio de Janeiro, ao convidar o atual chefe do órgão no estado para um novo cargo na instituição. O novo nome para o posto ainda não foi anunciado.

 

Carlos Henrique Oliveira, que ocupava o cargo no Rio de Janeiro desde 2019, foi convidado para ser diretor executivo da PF em Brasília, segundo cargo mais importante na hierarquia da corporação, subordinado diretamente ao diretor-geral.

 

Leia também - Aras pede que Polícia Federal ouça três ministros após denúncias de Sérgio Moro

 

Com a troca, o ex-superintendente da PF em São Paulo, Disney Rossetti, que ocupava a função, deixa o cargo, e a chefia da superintêndencia no Rio de Janeiro passa a ficar vago, dando espaço para que Rolando Souza indique alguém para o posto.

Leia também: Aras pede que PF ouça três ministros após denúncias de Moro

 

A expectativa, segundo delegados federais que conversaram com o R7, é de que seja um nome próximo de Alexandre Ramagem, atendendo um critério de que a nova pessoa que chefiará a instituição no Rio de Janeiro seja alinhada com o presidente Jair Bolsonaro. Outra hipótese levantada é que Alexandre Saraiva, atual superintendente da PF no Amazonas, também possa assumir o posto no estado fluminense.

 

Troca polêmica

A troca no comando da Polícia Federal no Rio de Janeiro, estado que é base política do presidente Jair Bolsonaro e de seus filhos, foi um dos motivos de divergência que resultaram na saída do então ministro da Justiça Sérgio Moro, combinado com a troca do diretor-geral da instituição, sem uma justificativa por parte do presidente da República.

 

Essa insistência na troca foi apontada por Moro como uma interferência política na Polícia Federal e virou alvo de um processo na Justiça para investigar a ação.

 

Com a saída de Moro, Bolsonaro conseguiu fazer a troca no comando da instituição, nomeando inicialmente Alexandre Ramagem, então diretor da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), que foi impedido de tomar posse pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

 

No domingo, o presidente anunciou que nomearia um novo diretor-geral, o que foi feito na manhã desta segunda-feira (4) em uma decisão de portas fechadas no Palácio do Planalto, que levou ao cargo Rolando Alexandre de Souza, considerado braço-diretor de Ramagem na Abin.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Governo federal está liberando R$ 1.045 do FGTS por trabalhador para movimentar a economia. O que você fará com o benefício?

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 10/07/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 22,00 -0,23%

Algodão R$ 90,32 -0,27%

Boi a Vista R$ 137,83 -0,48%

Soja Disponível R$ 68,20 -0,29%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.