Publicidade

Cuiabá, Sábado 08/08/2020

Política Nacional - A | + A

Aprovado em dezembro 10.07.2020 | 16h45

PL da prisão em segunda instância está parado há exatos 7 meses no Senado

Facebook Print google plus

Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Tramitam no Congresso três projetos para viabilizar a prisão após condenação em segunda instância: uma PEC no Senado (PEC 5/2019), uma PEC na Câmara (PEC 199/2019) e um projeto de lei do Senado (PLS 166/2018).

 

Aprovado em dezembro de 2019, o projeto de lei do Senado, de autoria do senador Lasier Martins (Podemos- RS), está parado há sete meses, completados nesta sexta-feira (10). Ao contrário de propor emenda à Constituição, como as PECs, ele propõe alterar o Código Penal para assegurar a prisão por condenação criminal por “órgão colegiado”.

 

O substitutivo, apresentado pela então senadora Juíza Selma (PSL-MT), foi aprovado em caráter terminativo e seria enviado para a Câmara dos Deputados, sem precisar passar pelo plenário. No entanto, devido à apresentação de um recurso, o texto ainda será analisado no Plenário do Senado, está pronto para ser analisado, mas não entra na pauta. 

 

Leia também - Milton Ribeiro aceita convite de Bolsonaro para assumir Ministério da Educação

 

O autor, senador Lasier Martins, critica a demora: "Já esperamos demais para decidir sobre este tema que está pronto para ser deliberado pelo plenário".

 

A prisão após condenação em segunda instância foi proibida no Brasil após entendimento do STF (Supremo Tribunal Federal) no ano passado e sua discussão esteve muito atrelada ao julgamento do ex-presidente Lula, que deixou a prisão após a mais recente decisão do STF.

 

O senador critica a decisão e diz que o sistema processual brasileiro admite "interposição sucessiva de recursos, nitidamente protelatórios", em busca da "prescrição".

 

No início do ano, senadores que defendem a prisão após condenação em segunda instância reuniram 43 assinaturas em um abaixo-assinado que pedia ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (AP), que pautasse a votação do projeto. Alcolumbre, no entanto, teria decidido esperar pela votação de uma Proposta de Emenda à Constituição que tramita na Câmara dos Deputados.

 

A PEC da Câmara é mais complexa, porque não é voltada apenas para casos penais, mas, caso aprovado como está, valerá também para questões tributárias e trabalhistas, por exemplo. 

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Após a reabertura dos shoppings, você voltou a frequentar como antes da pandemia?

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 07/08/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 24,30 1,46%

Algodão R$ 92,07 0,01%

Boi a Vista R$ 135,70 0,00%

Soja Disponível R$ 74,60 -0,13%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.