Gazeta Digital

Cuiabano deixa 'zona de conforto' para viver em Dublin

Acervo Pessoal

Acervo Pessoal

Gazeta Digital

cuiabanos pelo mundo - logo

 

Cuiabano Willian Fideles de Lima, que já morou em Paranatinga e Minas Gerais, não esperava que a maior empreitada da sua vida fosse depois dos 34 anos. Desde 2015, em Dublin, na Irlanda, já foi figurante de seriado de época, auxiliar de cozinha e hoje atua como garçom.

 

Formado em jornalismo pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Fideles viu na exoneração do seu último trabalho no Brasil como a oportunidade de realizar um sonho que sempre teve. “Ou faz naquele momento ou não fazia mais”. 

 

Mas, apesar de ter nutrido por anos a vontade de morar fora do país, de conhecer novas culturas, se engana quem pensa que o processo foi rápido. “Foi uma decisão trabalhada com minha psicóloga, eu tive que me desprender. Estava tudo muito cômodo, tinha 34 anos, morava na casa da minha mãe e sem realizar meus sonhos. Foi mais de um ano nesse processo para me desprender, fui trabalhando minha cabeça e finalmente sai para correr o mundo”, disse. 

 

Para deixar Cuiabá, em 2015, juntou dinheiro, fez rifa e contou com a ajuda financeira de amigos que, segundo Willian, “se não fossem eles, não teria conseguido”.

 

Desde outubro, quando deixou Cuiabá, está Dublin. Divide casa com outros 6 brasileiros que, segundo ele, é o jeito para economizar. “O aluguel aqui é muito caro, tem gente que divide até o quarto”.

 

Passou a estudar inglês em uma escola da cidade e quando, no fim do curso, conseguiu seu primeiro emprego. “Quando você chega, já deve pensar no trabalho, já que é tudo muito caro. Eu trouxe dinheiro do Brasil, que não é muito, economizei no que deu e comecei a procurar empreso e, muitas vezes, você precisa esquecer a sua formação, já que não tem visto para exercer aquele tipo de trabalho”.

 

Pagando os boletos

Mas, como todo trabalhador, precisa pagar suas contas. E foi assim que, em meio ao "desespero", chegou a mandar mais de 300 currículos em um fim de semana. Ele já não esperava mais quando recebeu uma proposta para trabalhar em um hotel.

Acervo Pessoal

Willian fideles - cuiabanos pelo mundo

 

 

“Me chamaram para um teste e já comecei a trabalhar no dia seguinte como auxiliar na cozinha, lavando pratos, o chão e tudo mais o que chefe mandar. Foram 7 meses nesse trabalho, voltei para a escola com um novo curso, mudei de casa e até consegui um novo emprego, onde fiquei 3 anos na mesma função”. 

 

Há 3 meses foi promovido. Agora trabalha como garçom no mesmo restaurante. “Tenho mais contato com os clientes, sirvo e faço o atendimento. É uma rotina cansativa, mas nada se compara com o trabalho na cozinha, que é mais pesado. Tive meu objetivo de vencer, pagar minhas contas e continuar estudando, então, eu venci”. 

 

Antes do trabalho fixo, fez freelancers. Atuou como voluntário em uma Organização Não Governamental (ONG), que classificou como bom para o currículo e também na limpeza de uma loja. Mas, foi com os trabalhos de figuração para produções de TV e cinema que causou entre os amigos que estão em Cuiabá. 

 

Willian participou da gravação das séries The Vikings e Into The Badlands, além de um filme. “Foi uma experiência mágica ter esse contato com estúdio, ver todo o processo de produção, elaboração da série, figurino e maquiagem. É tudo muito hollywood”, contou. 

 

O visual dele certamente ajudou na escalação. Ele mantinha uma barba grande, bem característica na produção dessas séries. “Aqui tem muita gravação, por conta do cenário, não gastam muito”.

 

Orgulho e acolhimento 

O jornalista destaca que o caminho percorrido não foi facil e até se emociona ao lembrar. “Tenho muito orgulho da minha história, do que eu passei. Costumo agradecer a Deus por cada etapa, isso ajudou muito, minha fé”, lembra.

Acervo Pessoal

Willian fideles - cuiabanos pelo mundo

 

 

O acolhimento de amigos também foi necessário para se manter firme. “Em todos os momentos me deram apoio psicológico, sem eles eu não conseguiria”.

 

A saudade de casa existe, mas ele não tem planos de voltar – pelo menos por enquanto. Para aquecer o coração, encontrou mais cuiabanos que moram na cidade e hoje são membros do grupo de WhatsApp ‘Cuiabanos em Dublin’.

 

“Temos esse grupo, com pessoal que já estava aqui e outros que vieram depois. É uma rede de contato bem legal, quando alguém vem pra cá, a gente de mobiliza. Pessoas nos procuram para dar dicas. Olha, eu jogo a real, não iludo. Não vai ser fácil, mas é a melhor experiência da vida”.

 

 E é assim que ele classifica essa virada na sua vida. “Se todo mundo tivesse oportunidade de fazer intercâmbio, morar fora, sair da zona de conforto, muita coisa seria melhor. A vida seria melhor. E uma experiência engrandecedora”. 

 

Para o novo Willian, os obstáculos que estão por vir não são nada. “Eu me tornei uma pessoa forte e pronta para o que está por vir. Chorei muito no começo, mas agora me tornei forte”, finalizou.


Fonte: Gazeta Digital

Visite o website: https://www.gazetadigital.com.br