Gazeta Digital

A voz dela tem som?

Rosana Leite Barros

Divulgação

Divulgação

As vozes só conseguem surtir algum efeito se algo ecoar. De que adianta o som, se nada pode produzir? Meninas e mulheres estão a lançar clamores constantes e diários. Estariam sendo ouvidas?

 

Quando o assunto é violência sexual, a que as mulheres sempre estiveram tão expostas, para que houvesse algum crédito no ruído por elas espalhado, o trabalho tem sido imenso. Nos primórdios foram julgadas pelas roupas, modo de se portar, pelos passeios, deixando de lado o verdadeiro viés a ser aquilatado. Ainda que muito afirmassem, circunstâncias que em nada corroboravam para o fato eram levadas em consideração. Autoridades as questionavam, verbo no passado, sobre tudo, menos pelo crime que haviam sido vítimas. Nas ruas e locais de grande aglomeração de pessoas, as cantadas, ofensas e humilhações deram voz a eles. E a voz delas?

 

Já quando o assunto passou a trilhar a violência doméstica e familiar, com gritos que saíam de corpos surrados, frases de efeito surgiram. O que mais aconteceu, por décadas, foi o descredenciamento da palavra feminina. Mulher gosta de apanhar. Ele não sabe por que bateu, mas, ela sabe por que apanhou. Ela provocou o marido. Ela merece apanhar. E a voz delas?

 

Nas mais diversas profissões, a toada feminina perante a sociedade fez vítimas. Para conquistarem o direito a estudar, o enfrentamento foi atroz. O estudo, a capacitação e o trabalho fora de casa, ou seja, o que dignifica, era relegado para o gênero masculino. Algumas profissões eram adstritas apenas para homens. Para que esse espaço para mulheres, não é? Ora, eles já se profissionalizaram. Ademais, é natural que estejam exercendo determinadas funções. Cargos de chefia e direcionamento ficam melhores se confiados para a condição masculina. E a voz delas?

 

E quando o assunto é política? Nossa, aí então o vozear feminino se torna uma problemática. As ciências políticas não podem ser dominadas por mulheres. O que parece, observando de longe, é que para eles, elas sempre brincaram de entrar para a política. São interrompidas em seus discursos por homens constantemente, o que já foi observado em inúmeras situações. Afinal de contas, eles entendem que são muito mais capazes nessa seara. E a voz delas?

 

Tentei falar no passado. Sim, lá longe... Porém, a realidade é que não vivemos um passado tão distante. O som da mulher, ou melhor, do gênero feminino, ainda enfrenta ocorrências indesejáveis. Muito já foi visto e sentido em direitos humanos das mulheres, desde o início, no século XIX. Todavia, a equidade entre os gêneros não é possível de ser sentido no século XXI.

 

A pergunta não calou: E a voz delas?. Timidamente é possível de se escutar. Algumas vezes precisamos de tradutores, braile etc. para decifrar essas falas. Analogicamente falando, saímos do pombo correio, passamos pelos telégrafos, fax e por aí afora. Sem sombra de dúvida, simetricamente, demoraremos tempos para chegar à internet.

 

Mulher que atende mulher... Mulher que defende mulher... Mulher que socorre mulher... Mulher que escuta mulher... Mulher que tem compaixão de mulher...

 

Caladas? Jamais. O estrondo acontecerá com muita teimosia e confiando em dias melhores.

 

Rosana Leite Antunes de Barros é defensora pública estadual.


Fonte: Gazeta Digital

Visite o website: https://www.gazetadigital.com.br