Gazeta Digital

Flamenguista ‘roxo’, torcedor pinta casa inteira com as cores do time carioca

Chico Ferreira

Chico Ferreira

O jogo do Flamengo contra o River Plate é só no sábado (23), mas Gilberto Márcio de Arruda já estava comemorando com uma lata de cerveja na mão em plena quinta-feira. “Desde semana passada estou comemorando já”, revela. Aliás, ele pintou sua casa de rubro-negro com uma semana de antecedência, para dar as boas-vindas do troféu da Libertadores.

 

A fachada da casa anuncia que ali mora um dos maiores flamenguistas do Cidade Alta – mesmo que a vizinha de porta conta, brincando, que ali também mora uma vascaína. O rubro-negro do “Mengão” vai do chão até as paredes, e mesmo o Mixto alvinegro, time mato-grossense de coração de Gilberto, leva as cores vermelho e preto.

 

Leia também - Torcedor sai de São Paulo para vender camisa do Flamengo em Cuiabá

 

Entretanto, a paixão pelo Flamengo pulou uma geração: Gilberto explica que começou a torcer pelo time carioca por causa da avó, e não dos pais. “Quando eu nasci, minha vó me disse assim: meu neto vai ser flamenguista de coração. E até hoje eu sou, graças a deus, sou flamengo de coração e orgulho de ser”.

Chico Ferreira

gilberto flamenguista

 

Gilberto é pintor profissional, mas já adiantou: em dia de jogo, não contem com ele. “Não perco nenhum jogo do Flamengo. Quando não passa diretamente pela televisão, eu vou no bar do meu amigo”, disse.

 

É uma tradição do pintor enfeitar a casa - apelidada de "ninho dos urubus" - com as cores do time, que só mudam para amarelo e verde a cada quatro anos, quando tem Copa do Mundo. Inclusive, ele já participou de uma promoção na Copa de 2002, que era a “casa mais enfeitada da seleção”.

 

A fotografia colada na parede vermelha está o Ronaldo Fenômeno e seu clássico corte de cabelo, e o Ronaldinho Gaúcho. Gilberto não ganhou a promoção, mas recebeu o respeito e reconhecimento de todos do bairro Cidade Alta.

 

O pintor conta que só viu o Flamengo jogar ao vivo quando a seleção veio para a Arena Pantanal. “Aquela derrota que o Flamengo perdeu pro Goiás, de 1 a 0. Passei vergonha, mas tudo mundo passa vergonha né? Arena lotada...”, relembra.

 

A última vez que o time carioca levou a taça da Libertadores foi em 1981, quando Gilberto calcula que tinha de 7 a 8 anos. A expectativa para o jogo deste sábado é tamanha, que ele até mesmo sonhou com o placar.

 

“Tive um sonho essa semana, de ontem pra hoje. Eu vou jogar 2 a 1, palpite meu, de coração. Pode contar comigo que é 2 a 1”, garante. Com mais um sonho para realizar, Gilberto almeja um dia ver o “Mengão” jogar no Maracanã.


Fonte: Gazeta Digital

Visite o website: https://www.gazetadigital.com.br